quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

A Turma da Jaqueira Segurando o Talo (troça carnavalesca)

Lúcia Gaspar
Bibliotecária da Fundação Joaquim Nabuco
                                             
                                              Quando A Turma da Jaqueira surgiu
                                              Você sorriu e alguém me criticou
                                              Veja você como a turma é tão bacana               
                                              Ela não lhe engana acredite meu amor
                                        Segure o talo meu bem                                
                                        Não deixe o talo morrer
                                        Segure o talo meu bem
                                        É um presente que tenho para você
    

                                               Lá vem A Turma da Jaqueira
                                               E a poeira já vem rolando
                                               Não se preocupe amigo
                                               Tá Manoelzinho e Vila Nova organizando
                                                      

                                        Chegou a hora do regresso
                                        Momento triste de fazer chorar
                                        Adeus a Turma da Jaqueira
                                        Que para o ano prometemos voltar
                                                   (Hino da troça, frevo-canção de Jucilo Coutinho)


A troça carnavalesca mista A Turma da Jaqueira Segurando o Talo foi criada, em 1984, por um grupo de motoristas da Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj) que apoiava a candidatura do advogado Manoel Cavalcanti de Albuquerque Sá Neto para a presidência da Associação dos Empregados da Fundaj e perdeu a eleição. Como uma manifestação de protesto e ao mesmo tempo com o intuito de alegrar o pessoal que ficou triste com a derrota, seus idealizadores e criadores, Edgar Alves da Silva, Ivanildo Roberto da 
Silva, José Carlos Silva, Paulo Coutinho, Jucilo Coutinho e Clóvis França resolveram colocar a troça na rua, tendo como presidente Manoel Cavalcanti, conhecido na Casa como Manoelzinho.

O nome A Turma da Jaqueira vem do apelido que era dado aos motoristas que nas suas horas de folga, principalmente depois do almoço, reuniam-se num banquinho existente embaixo de uma jaqueira, localizada atrás do Museu do Homem do Nordeste

O hino da troça, um frevo-canção, foi criado por Jucilo Coutinho (letra no início do texto), sendo a partitura de Sebastião Vila Nova. O estandarte, confeccionado em madeira, continha o desenho estilizado de uma jaqueira e é de autoria de José Carlos Silva, que além de motorista era também desenhista.

No seu primeiro ano de existência, A Turma da Jaqueira Segurando o Talo desfilou em um Jeep, que levava uma batucada e seu estandarte de madeira, conseguindo reunir cerca de cem foliões. A troça sai sempre uma semana antes do  sábado de carnaval, conhecido como Sábado Gordo ou de Zé Pereira.

Em 1985, contando com cerca de 180 associados que contribuíam mensalmente, desde março de 1984, a troça saiu ao som da orquestra de frevo e escola de samba do maestro Vivi.

A troça concentrava-se na Barraca Nabuquinho, defronte da sede da Fundaj e seguia em direção ao bairro de Apipucos, pela Avenida 17 de Agosto e Rua Dois Irmãos até a casa do escritor Gilberto Freyre, patrono da troça, a quem se prestava uma homenagem, entregando-lhe uma jaca. Logo depois o itinerário passou a incluir também a Praça de Casa Forte.

A partir de 1986, a Turma da Jaqueira passou a homenagear, a cada ano, pessoas e instituições que contribuíram para a valorização da cultura popular pernambucana. Entre os homenageados estão o escritor Gilberto FreyreMaracatu Cruzeiro do Forte, do bairro do Cordeiro; o passista de frevo Nascimento do Passo; Clube Vassourinhas, no ano seu centenário (1989); o escritor e poeta Mauro Mota; os compositores pernambucanos CapibaLuiz BandeiraGetúlio Cavalcanti e J. Michilles; o cantor Claudionor Germano; o artista plástico e bonequeiro de Olinda, PE, Silvio Botelho; a Escola Municipal de Frevo; o Clube Carnavalesco Misto das Páso compositor Nelson Ferreira, entre outros. 

Em 1987, a troça veio com duas novidades: a participação da orquestra do maestro Isaac, composta por vinte músicos e a inclusão do bairro do Poço da Panela no roteiro original, decisão tomada, segundo o presidente Manoel Cavalcanti, pelo seu colegiado, por ser o Poço um bairro antigo, histórico e representativo em termos de comunidade, além de ter uma topografia ideal para o carnaval, lembrando muito o bairro de São José, de muita tradição carnavalesca no Recife.

Com a morte do sociólogo Gilberto Freyre (1987), a jaca passou a ser entregue à viúva Magdalena Freyre.

A partir de 1988, a troça contou com a participação de um boneco gigante, retratando o escritor Gilberto Freyre, confeccionado pelo artesão Paulo Patrício e doado pelo Governo de Pernambuco, através da Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe). Depois foi incorporado também ao desfile da troça, o boneco/retrato de Nelson Fereira.

No ano seguinte, a Turma da Jaqueira começou a contar com a Freviocacriada pelo jornalista, historiador e carnavalesco Leonardo Dantas Silva.

No carnaval de 1990, a troça desfilou com a participação da Big Band da Dinamarca, uma banda dinamarquesa composta de 40 músicos, especializada em música brasileira (frevo, marcha, samba, maracatu, afoxé e baião), cubana e africana. 

Quando A Turma completou quinze anos, em 1999, foi organizada por Mércia Bezerra Costa (membro do colegiado), uma exposição comemorativa denominada Retrospectiva de Carnavais, realizada de 4 de 19 de fevereiro no hall do Museu do Homem do Nordeste. A mostra reuniu camisetas, bonés, estandartes, reportagens e bonecos gigantes, além do acervo iconográfico da agremiação.

No ano de 2000, foi realizado um concurso para eleger a Garota Turma da Jaqueira. A candidata teria que dançar bem o frevo para ser a madrinha da troça. A escolhida foi a professora de balé Cíntia Paulino.

Também em 2000, ano do centenário do escritor Gilberto Freyre, a agremiação ganhou um novo boneco gigante do seu patrono, confeccionado por Silvio Botelho, pago com recursos arrecadados através de uma rifa.

Atualmente, o percurso da troça se inicia em frente ao Museu do Homem do Nordeste, segue pela Rua Oscar Ferreira, Estrada do Encanamento, Estrada das Ubaias, Rua Casa Forte, toma toda a Praça de Casa Forte, volta pela Avenida 17 de Agosto, Rua Dois Irmãos, passando pelo bairro do Monteiro e termina na pracinha de Apipucos.

Sua formação básica é a seguinte: uma faixa abre-alas, os estandartes (da troça e de convidados), os bonecos gigantes, a orquestra no chão, a Frevioca e por último os trios elétricos.

Além de Manoel Cavalcanti, considerado o presidente perpértuo, a troça teve até hoje dois outros presidentes: Mércia Maria Bezerra Costa e Edson Bezerra da Silva. 

Hoje, já consagrada pelos recifenses, principalmente pelos moradores dos bairros de Casa Forte, Poço da Panela, Monteiro, e Apipucos, constando inclusive da Agenda Cultural da Prefeitura do Recife, A Turma da Jaqueira Segurando o Talo  reúne mais de 60.000 foliões e é uma das mais animadas prévias do carnaval de Pernambuco.

Recife, 28 de janeiro de 2005.
(Atualizado em 8 de setembro de 2009).

FONTES CONSULTADAS:

ARQUIVO de recortes de jornais da ASCOM - Assessoria de Comunicação Social da Fundaj (1985-2005).

ENTREVISTA com Mércia Maria Bezerra Costa, realizada em 27 de janeiro de 2005.

NABUQUINHO, Recife, ano 6, n.66, fev. 1995 [fascículo dedicado à troça]

TROÇA carnavalesca mista A Turma da Jaqueira Segurando o Talo [folder organizado por Mércia Bezerra Costa, com programação gráfica de Antonio Montenegro, 2000].

TROÇA Carnavalesca A Turma da Jaqueira Segurando o Talo (foto nesta texto). In: BONALD NETO, Olímpio. Os gigantes foliões em Pernambuco. 2. ed. Recife: Cepe, 2007. 264 p. p. 109. 

COMO CITAR ESTE TEXTO:

Fonte: GASPAR, Lúcia. A Turma da Jaqueira Segurando o Talo (troça carnavalesca). Pesquisa Escolar Online, Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: <http://basilio.fundaj.gov.br/pesquisaescolar/>. Acesso em: dia  mês ano. Ex: 6 ago. 2009.

domingo, 26 de janeiro de 2014

Ticuqueiros: o som da mata

Ticuqueiros já tem mais de uma década de carreira.
Foto: Ederlan Fábio
Por Jaciana Sobrinho

Nazaré da Mata é um município brasileiro da Zona da Mata do Estado dePernambuco, com uma população de mais 30 mil habitantes. Graças ao solo fértil e propício da região, a monocultura da cana-de-açúcar se destaca como atividade econômica. Destaque também para a grande produção cultural da cidade. A Terra do Maracatu, como é conhecida, também é rica na produção de manifestações culturais como o cavalo-marinho e o coco.

Um dos frutos dessa fertilidade cultural nasceu em 2001. Formada por Marquinhos Ralph (voz, sax e pífano); João Paulo Rosa (percussão e vocal); André Arcoverde (guitarra e vocal); Fábio Miranda (percussão) e Álison Freitas  (contrabaixo), a banda Ticuqueiros é resultado do encontro desses jovens nas tradicionais Escolas de Música daquela cidade.

Com apenas um CD lançado em 2007 – Ticuqueiros: dos canaviais da Zona da Mata–, o 
A capa do novo trabalho da banda traz ilustração de
Charles Silva
grupo percorreu diversos Estados brasileiros e ainda se apresentou na Espanha e em Portugal. Agora, os rapazes estão prontos e ávidos para voltar para a estrada com seu novo trabalho – Foto do mundo. Lançado em dezembro passado, o disco foi pensado nos mínimos detalhes pelos integrantes com o intuito de reforçar ainda mais o seu gosto musical e sua identidade cultural.

“Até mesmo depois de ter gravado as músicas, a gente ainda voltou ao estúdio pra acrescentar um toque de prato, uma nota que faltou... Queríamos que ficasse lindo, pois tivemos um intervalo para compor novos trabalhos, teve o amadurecimento do grupo e isso tinha que ficar evidente no CD”, afirma Marquinhos Ralph. Os ritmos que nos remetem à riqueza cultural da região da Zona da Mata pernambucana continuam presentes e as letras autorais, a maioria assinadas pelo percussionista João Paulo ou em parceria com os outros integrantes, recriam a realidade do lugar onde nasceram, e ainda vivem, por meio das expressões e dos instrumentos típicos.

Ticuqueiros é o nome dado ao trabalhador rural que faz a limpeza do canavial, retirando as plantas nocivas ao crescimento da cana. A ideia inicial foi do músico Nal Caboclo que é também pesquisador da cultura popular. A intenção era formar um grupo de música instrumental baseada nessa temática. O projeto não foi muito adiante e num outro momento, quando João Paulo pensou em retomar o trabalho, foi presenteado pelo amigo com a autorização de usar o nome. “Por ser uma palavra que está tão próxima à raiz propriamente dita e fazer parte da nossa criação, achamos que esse nome seria perfeito pra gente”, conta João Paulo.

Foto: Tony Braga
“Nós somos um processador de tudo que recebemos em termos musicais como, por exemplo, o coco, a ciranda, o caboclinho, o maracatu e o candomblé, a religiosidade, a natureza... Muitas vezes, alguém pergunta o que a gente toca e eu digo: uma síntese disso tudo. A gente cresceu com todas essas expressões ao nosso redor e isso está dentro da gente, principalmente na hora de fazer música”, analisa Marquinhos.

Foto do mundo vem com participações de Jr. Black, Alessandra Leão, Juliano Holanda, Roque Neto, Adelmo Arcoverde e Adiel Luna. O disco foi gravado e mixado no Estúdio Muzak-Recife-PE por André Oliveira e traz à frente da direção musical, o músico e compositor Juliano Holanda. Com capa ilustrada pelo artista Charles Silva, o disco traz 12 músicas contagiantes e bem arranjadas que deixam explícito o amadurecimento do grupo e a verdade do seu talento. “O que a gente mais quer é continuar fazendo o que gosta e ser reconhecido por isso, construir nossa identidade musical. Saber que as pessoas vão ouvir uma música e já perceber que é nossa”, diz João Paulo.

Contato:
João Paulo Rosa - (81) 9606-2784 e 9313-8375.
E-mail: jpandeiro@yahoo.com.br 


Fonte: Agenda Cultural do Recife

Frevo e outros ritmos em nova versão de Don Tronxo

A poesia do músico Don Tronxo é uma velha conhecida no cenário musical brasileiro. Ao lado de parceiros como Zé Ramalho, Dominguinhos gravou sucessos históricos da MPB. Este ano, voltou aos estúdios e lança o CD Frevo Acústico, reunindo trabalhos de amigos – alguns iniciantes, como o compositor Marcondes Sávio, e velhos conhecidos, como Rubem Valença.

Don Tronxo, que dedica este trabalho ao poeta, folião, parceiro de várias composições e grande amigo Carlos Fernando, falecido ano passado. “Falamos de uma mesma coisa, que é a poesia do frevo pernambucano, que nos encanta e engrandece”, diz.

O novo CD traz doze faixas e uma parceria poética que enaltece a cultura de Pernambuco por meio de personagens, entre eles Ariano Suassuna, Luiz Bandeira, Capiba, Bajado, e da força do frevo. Gravado em setembro no Estudio Áudio/Cstudio, em Gravatá, reúne os músicos Cláudio dos Santos, no violão; Cristiano Pereira, no sax; Geovanni Cavalcanti, no pandeiro, com voz e arranjos do próprio Don Tronxo. Na direção e produção, além dele, o compositor Marcondes Sávio.

No repertório, todas as composições trazem a marca de Don Tronxo, que assina sozinho as faixas 10 e 11 (Brilhos e Fantasias e Recife Acordou Fervendo); a faixa 2 – O Frevo Ganhou o Mundo – com Rubem Valença;  e a 8 – Navegar nas Ondas, com Calazans Callou. Em oito canções tem como parceiro Marcondes Sávio: Coração do Recife, No palco luz de Olinda, Amor de Frevo, Frevo Ariano, Moreninha do Mar, Não Deixe o Frevo Prá Depois, O Homem Ele Chora e Meu Recife.

Don Tronxo, ou João Fernando, nome de batismo do músico paraibano que escolheu cantar o Nordeste e sua cultura, é autor de sucessos como “Cheiro de Jasmin”, com Tito Lívio; “Sonhei de Cara” e “Moinhos” gravado por Alceu Valença, “Rainha”, gravado por Dominguinhos, entre tantos outros. Participou do histórico álbum Paêbirú, de Lula Côrtes e Zé Ramalho, no ano de 1975. Este e seu terceiro álbum de frevo, tendo lançado “O Don do Frevo” e “Pernambuco: é frevo meu bem”.

Fonte: Agenda Cultural do Recife

É o Frevo no 25° Prêmio da Música

André Rio. Foto:  Beti Niemeyer
André Rio está em festa. Isso porque o seu CD intitulado "Fervo" foi pré-selecionado para concorrer ao 25° Prêmio da Música Brasileira. O álbum reúne os maiores sucessos do cantor como "Chuva de Sombrinhas", "Queimando a Massa" e "Sedução". Segundo André, que comemora 22 anos de carreira, "o Prêmio da Música Brasileira é a plena coroação dos trabalhos realizados, por amor a nossa música, pelos artistas brasileiros. É uma imensa honra ser pré selecionado e reconhecido por acreditar que atravês da musica que se faz com verdade, se chega ao longe e bem fundo no coração das pessoas. É a certeza de estar no caminho certo, de continuar fazendo som, vertendo música pernambucana por todos os poros do meu corpo e assim elevar minh'alma." O Prêmio foi criado em 1987 para celebrar a diversidade da música produzida em todos os cantos do Brasil e está comemorando Bodas de Prata com a MPB.

Fonte: Agenda Cultural do Recife

'No Carnaval, há irmanação entre todos', defende Ariano Suassuna

Autor será homenageado no desfile do Galo da Madrugada, dia 1° de março. Agremiação desfila pelo centro do Recife com 30 trios e carros alegóricos.


Do G1 PE
Ariano Suassuna será o personagem tema do 37° desfile do Galo da Madrugada (Foto: Luna Markman/ G1)Ariano Suassuna será o personagem-tema do 37° desfile do Galo da Madrugada (Foto: Luna Markman/ G1)












O Galo da Madrugada vai cantar para Ariano Suassuna no Carnaval recifense este ano. O 37°desfile do clube de máscaras será no sábado (1°), com mais de 10 horas de duração e 30 trios elétricos, trazendo o tema "Frevo no Auto do Reino de Ariano". "Fiquei muito honrado com o convite. Essa cidade é muito querida por mim, e o Galo é o monumento dela", falou o artista, em coletiva de imprensa nesta quinta-feira (23).
O dramaturgo, escritor e poeta de 86 anos mostrou disposição em participar da festa, que reúne milhões de pessoas, geralmente sob sol e forte calor, mas o cuidado com a saúde ainda não o permite garantiar a presença. Entre agosto e setembro do ano passado, ele ficou internado por conta de um infarto e precisou também tratar de um aneurisma cerebral. A coletiva de que participou nesta quinta, inclusive, é a primeira após a alta hospitalar.
"A minha disposição é ir. Fui ao [Carnaval do] Rio e São Paulo e não troco Recife por nenhuma outra grande cidade do mundo, sem contar com a minha terra, Taperoá [na Paraíba], que é cidade pequena. Eu sou viciado no Recife, não sei viver em outro canto. Em Taperoá, a morte tem nome, é Caetana, e ela andou querendo me pegar, mas não vai ser fácil assim. Só não vou se não tiver jeito mesmo", brincou.
Presidente do Galo, Rômulo Meneses, mostra camisa oficial da agremiação (Foto: Luna Markman/ G1)Presidente do Galo, Rômulo Meneses, mostra camisa
oficial da agremiação (Foto: Luna Markman/ G1)
Para expressar a gratidão em ser lembrado pela agremiação, Ariano relembrou uma história de infância. "Mamãe dizia que, ainda quando era grávida do filho mais velho, ouviu uma conversa do meu pai com Joel, que ele ia contratar para trabalhar na fazenda. Na negociação, meu pai foi perguntar quanto pagaria para ele e Joel disse: 'doutor, se tiver bem feito, elogie o meu trabalho'. Então, eu tomei isso [o convite] como elogio, gosto muito de ser elogiado. Mamãe dizia que nenhum filho tinha jeito para ganhar dinheiro, só elogio", contou.
A cultura circense, a cavalhada e as obras "A Pedra do Reino", "Uma Mulher Vestida de Sol" e "Auto da Compadecida" vão virar alegorias. A escolha dos temas não contou com sugestões de Ariano. O convite para ser homenageado chegou ainda em julho do ano passado e logo depois veio a internação, por isso, o autor não pôde contribuir. "Como todo pai coruja, não tenho obra favorita. Gostei das que foram escolhidas", comentou.
Ano passado, Ariano foi homenageado pelo Homem da Meia-Noite, que desfila em Olinda. Também já foi celebrado pelas escolas de samba Mancha Verde, de São Paulo, e Império Serrano, do Rio de Janeiro. Nesta última, ele participou do desfile. "Quando eu estava lá em cima [do carro alegórico], vi uma bandeira pernambucana e isso me marcou muito, foi o melhor momento", afirmou.
Apesar de se definir uma "desgraça" como folião, por não brincar, Ariano vê o lado positivo do evento. "Dizem que o povo brasileiro passa o ano sofrendo e gasta todo dinheiro em três dias de festa. Para mim, isso mostra que ele se sobrepõe [às tragédias] ao manifestar essa energia. Usam pedras falsas na fantasia para criar uma beleza em cima do dia-a-dia. Apesar de todas as diferenças sociais, de qualquer maneira, no Carnaval, há irmanação entre todos", explicou.
Questionado se o modelo de festa do Galo da Madrugada, com trios e artistas famosos, o agrada, visto que prefere as manifestações mais populares, Ariano apontou que "até mesmo o Carnaval massificado da Sapucaí [no Rio] tem os seus elementos populares". "O Galo se impõe como matriz do Carnaval pernambucano, se integra ao espírito", opinou.
Porta-estandarte faz tradicional reverência ao homenageado (Foto: Luna Markman/ G1)Porta-estandarte faz tradicional reverência ao homenageado
(Foto: Luna Markman/ G1)
Além da alegorias, a história e a carreira de Ariano também inspiraram a composição de 20 músicas que integram o mais novo CD do bloco. O trabalho tem participações de André Rio, Benil, Maestro Forró, Ed Carlos, J. Michiles, Getúlio Cavalcanti e a banda Som da Terra. "Nós fizemos parceria com três rádios locais para executarem os frevos, ajudando a valorizar o ritmo", disse o presidente do bloco, Rômulo Meneses.
O presidente do Galo explicou a escolha do escritor para tema da agremiação. "Esperavam que a gente escolhesse a Copa do Mundo, mas ela acontece de quatro em quatro anos, e Ariano não. Além disso, preferimos partir para uma temática mais regional, mais nordestina, inclusive pela grandeza da obra de Ariano", disse.

Meneses também informou que um boneco gigante já foi encomendado ao bonequeiro Sílvio Botelho. A vestimenta, claro, será preta e vermelha, em referência ao time do coração do artista, Sport, igual à roupa que ele vestia na coletiva, definida como "Sport fino". Bem humorado, disposto, o escritor segue fugindo de "Caetana" e já trabalha em um novo livro, que vai misturar teatro, poesia e romance, ainda sem previsão de lançamento.

Bloco da Saudade comemora renovação de público e repertório


Bloco da Saudade. Foto: Rodrigo Pires
O Bloco da Saudade desfila neste Carnaval com três bons motivos para comemorar: além de marcar seus 40 anos de formação, a agremiação lança novo disco e conta com renovação na sua ala de componentes fantasiados. Com o tema “Recife, um Carnaval Divinal”, o bloco lírico vai sair com fantasias inspiradas na fusão de dois clássicos personagens da Commedia dell’Arte, o Pierrot e o Arlequim, e mantém a tradição de se apresentar no Recife e em Olinda durante os dias de Momo. “Este ano temos jovens se incorporando ao grupo, o que reafirma nosso compromisso de manter viva a tradição do frevo de bloco”, afirma a presidente Isabel Bezerra.

E para comemorar tantas novidades, o bloco montou uma bela programação para o folião, que já começa neste final de semana. No domingo (26), a agremiação repete o sucesso do ano passado e realiza a 2ª Manhã de Sol, às 11h, na Associação Atlética Banco do Brasil (AABB). Uma forma de relembrar os tempos em que os acertos de marcha eram realizados no local (hoje, acontece no Clube Náutico Capibaribe). O público poderá acompanhar as apresentações do coral do bloco, do grupo de frevo Guerreiros do Passo e da orquestra do Maestro Lessa. A farra vai entra pela tarde até às 17h.

Dia 31, é a vez da IV Noite dos Flabelos, no Clube Náutico Capibaribe, às 22h. Em seguida, o bloco realiza seus tradicionais acertos de marcha, nos dias 07 e 14 de fevereiro, sempre às 22h, também no Náutico. E é no mesmo local que as prévias se encerram, trazendo o XXX Baile do Bloco da Saudade, às 20h, para arrematar. A partir daí, a agremiação desfila pelas ruas do Recife e Olinda durante o Carnaval.

Bloco - Idealizado pelo compositor Edgard Moraes em seu frevo de bloco “Valores do Passado”, o Bloco da Saudade foi às ruas pela primeira vez em 24 de fevereiro de 1974, domingo de Momo, por iniciativa do músico Antonio José Madureira e do Jornalista Marcelo Temporal Varella. As finalidades principais era resgatar os Carnavais de bloco e de rua do Recife que, naquela época,  vivia dos bailes nos clubes sociais. Objetivo alcançado, a agremiação conquistou o respeito dos foliões e hoje é detentora do título de Patrimônio Cultural Imaterial do Estado de Pernambuco. 

Programação:
Dia 26/01 – AABB – 2ª Manhã de Sol , às 11h;
Dia 31/01 – IV Noite dos Flabelos, no Clube Náutico Capibaribe, às 22h;
Dia 07/02 - Acertos de marcha, no Clube Náutico Capibaribe, às 22h;
Dia 14/02 – Acertos de archa, no Clube Náutico Capibaribe, às 22h;
Dia 21/02 - XXX Baile do Bloco da Saudade, no Clube Náutico Capibaribe, às 20h.

Fonte: Agenda Cultural do Recife

Recife capta R$ 2,5 milhões para divulgar Carnaval em outros Estados

Secretaria de Turismo e Lazer terá verba para anunciar festa em mercado nacional

A divulgação do Carnaval do Recife de 2014 vai ganhar um reforço financeiro. A Prefeitura do Recife, por meio da Secretaria de Turismo e Lazer, captou uma verba de R$ 2,5 milhões, junto ao Ministério do Turismo, sendo uma contrapartida de R$ 135 mil do município. A Secretaria municipal vai divulgar a festa carnavalesca em outros estados. 

Com esse aporte de R$ 2,5 milhões, o Carnaval do Recife será divulgado em oito destinos nacionais: Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais, Distrito Federal, Ceará, Alagoas, Rio Grande do Norte e Paraíba. Para televisão, a propaganda começa no dia 28 de dezembro e vai até 21 de fevereiro. Haverá também anúncios na internet. “Também teremos material de divulgação nas quatro revistas de bordo: TAM, Gol, Azul e Avianca. Essas publicações têm alcance nacional”, comenta o secretário de Turismo e Lazer do Recife, Felipe Carreras.
A divulgação vai ajudar na captação de mais turistas para o Recife. No Carnaval deste ano, a cidade recebeu um total de 718 mil visitantes, gerando uma movimentação econômica de R$ 603 milhões. No ano anterior, o incremento gerado foi de R$ 595 milhões e 710 mil pessoas visitaram a capital. O gasto médio individual diário do turista passou de R$ 478 em 2012 para R$ 485 este ano. Já o excursionista, aquele que não se hospeda (passa o dia), gastou R$ 177.

Em termos de hospedagem, a ocupação hoteleira ficou em 95% durante o período de Carnaval. A permanência média dos turistas no Recife foi de 7,9 dias. Dentro do universo de turistas, 36% vieram de outros estados nordestinos e 37% das demais regiões brasileiras. Entre os estados que mais receberam turistas, em primeiro lugar está São Paulo, seguido pelo Ceará. Em terceiro lugar ficaram empatados a Paraíba e o Rio Grande do Norte. Do exterior, Recife recebeu um total de 8% dos turistas.

quinta-feira, 9 de janeiro de 2014

Homem da Meia-Noite será homenageado pela escola de samba Mocidade

Um dos maiores blocos de rua de Pernambuco trará grandes novidades para o carnaval 2014. O Homem da Meia-Noite, que sai no sábado de Zé Pereira em Olinda, este ano tem como tema Gigantes do meu Brasil: carnaval e futebol. Além disso, o bloco irá homenagear três grandes personalidades de Pernambuco: o compositor e cantor J. Michiles, responsável por inúmeros frevos, como Bom demais e Me segura se não eu caio. O radialista Roberto Queiroz, considerado "garganta de ouro" nas narrações de futebol. E como carnaval, futebol e cachaça estão interligados, o Homem da Meia-Noite também vai homenagear Alexandre Ferrer, empresário da marca Pitú.

Uma das mais esperadas novidades é o traje do autêntico gigante, que neste ano terá como responsável a artista plástica Tereza Costa Rêgo, que se considerada a "eterna namorada do Homem da Meia-Noite". A pintora manterá a tradição do fraque verde e branco e a cartola preta. Tereza já começou a desenhar a roupa desde o ano passado. "Além do traje tradicional, irei colocar alguns tatus e bolas. Quem conhece a minha arte sabe que eu tenho uma paixão pelos bichos. Por isso, resolvi deixar o  verde e branco, junto com os tatus e as bolas, representando o futebol", comenta.

Outra novidade é a conexão Rio de Janeiro - Recife, onde a escola de samba Mocidade Independente de Padre Miguel levará o Sambródromo a reverenciar a cultura pernambucana. O samba enredo terá como tema Pernambucópolis e foi composto em parceria com o sambista Dudu Nobre. O Homem da Meia-Noite vai fazer parte do desfile em uma das alas da Mocidade.

Neste ano, o Cordas e Retalhos também irá homenagear o Clube de Alegorias e Críticas Homem da Meia-Noite, com o tema Retalhos da folia no coração da meia-noite. O clube também vai fazer a junção dos três frevos: de rua, de bloco e canção. Com tantas novidades, os foliões esperam ansiosamente pela meia-noite do sábado de Zé Pereira, nas ladeiras da Cidade Alta, em Olinda.

Fonte: Pernambuco.com

Acertos de Marcha dão início às prévias carnavalescas no Pátio de São Pedro

Bloco O Bonde. Foto: Marcelo Lyra
O lirismo dos antigos carnavais começarão a tomar conta do Pátio de São Pedro. A partir desta quinta-feira (9), e durante todo o mês de janeiro e fevereiro, serão oito quintas-feiras com muita festa e saudosismo nos acertos de marcha de 31 blocos de Pau e Corda. As apresentações são promovidas pela Prefeitura do Recife, através da Secretaria de Cultura e da Fundação de Cultura Cidade do Recife.

Na estreia dos acertos de marcha para o Carnaval de 2014, se apresentarão as agremiações: "Seresteiros de Salgadinho", fundada em 2003 com inspiração na seresta de Olinda; "O Bonde", criado em 1991 e nomeado a partir da música de Capiba, “Quem vai pro Farol é o bonde de Olinda”; e "Cordas e Retalhos", que com seu branco e vermelho desfila pelas ruas do Recife desde 1998.

Confira abaixo o calendário da programação no Pátio de São Pedro, que acontecerá todas as quintas-feiras, sempre às 19h, até a semana pré-Carnaval:

09 de janeiro
Seresteiros de Salgadinho
O Bonde
Cordas e Retalhos

16 de janeiro
Flor do Capibaribe
Flor do Eucalipto
Folguedos
Utopia e Paixão

23 de janeiro
Menestréis do Paulista
Compositores e Foliões
Confete e Serpetina
Rosas da Boa Vista

30 de janeiro
Flabelo Encantado
Da Lira
Amantes das Flores
Inocentes do Rosarinho

06 de fevereiro
Artesãos de Pernambuco
Flor da Lira
Sonho e Fantasia
Um Bloco em Poesia

13 de fevereiro
Sempre Feliz
Edite no Cordão
Esperança de Campo Grande
Boêmios da Boa Vista

20 de fevereiro
Bloco das Flores
Banhistas do Pina
Eu Quero Mais
Batutas de São José

27 de fevereiro
Das Ilusões
Flor da Lira
Com Você no Coração

Memórias da Infância

Fonte: Agenda Cultural do Recife

PCR e Polícia Militar anunciam mudanças para semana pré-carnavalesca

A Prefeitura do Recife, em conjunto com a Polícia Militar, Corpo de Bombeiros e representantes de mais de 70 blocos de Carnaval, definiram, em reunião na tarde desta terça-feira (7), novas medidas para uma semana pré e pós-carnavalesca mais segura e com menos impacto na mobilidade das pessoas. Entre as novidades estão a proibição de trios elétricos após as 19h (carro de som até 22h), obrigatoriedade da contratação de uma ambulância para cada trio e roteiros de desfiles que não cruzem corredores de transporte público.
Também só serão permitidos, no máximo, oito trios por bloco e a prefeitura só permitirá a ocupação do espaço urbano por até seis horas. Na reunião, a PM explicou que só dará cobertura policial a blocos, fora os quatro dias de Carnaval, de 1º de fevereiro a 16 de março. E até 3 de fevereiro, a prefeitura irá dar resposta aos blocos quanto às solicitações de apoio do Executivo municipal.
As medidas foram decididas na terceira reunião entre prefeitura e blocos de Carnaval. Participaram do encontro desta terça integrantes das Secretarias de Mobilidade e Controle Urbano, Segurança Urbana, Turismo e Lazer, CTTU, Fundação de Cultura Cidade do Recife, Polícia Militar e Corpo de Bombeiros, além dos blocos de Carnaval.
Para o secretário de Mobilidade e Controle Urbano, João Braga, as novidades vão diminuir o impacto na mobilidade das pessoas na semana pré-carnavalesca, quando a cidade ainda está funcionando normalmente. “Essas mudanças são boas tanto para os organizadores dos blocos, os foliões, moradores da região e para o poder público”, afirmou.
O secretário de Segurança Urbana, Murilo Cavalcanti, destacou que as mudanças vão colaborar para que o Carnaval do Recife se torne ainda mais seguro. “Em 2013, tivemos um dos Carnavais mais seguros dos últimos anos. Queremos repetir esse feito e, para isso, é preciso que haja disciplina e que as regras sejam cumpridas”.
Presidente do bloco CDU Folia, que arrasta mais de 40 mil pessoas no início de fevereiro, na Cidade Universitária, Mário Maciel elogiou as medidas anunciadas. “É muito importante essa conversa entre prefeitura, polícia e os blocos. Tenho que elogiar essa parceria. E as medidas vieram para deixar a festa ainda melhor.”
CADASTRO ÚNICO – Na reunião, os representantes da prefeitura lembraram que as agremiações que queiram desfilar na cidade têm até o dia 17 de janeiro para preencher o cadastro único, que está disponível no site www.recife.pe.gov.br, na área da Secretaria de Mobilidade e Controle Urbano.
Mudanças nos desfiles de blocos na semana pré:
1) Máximo de 8 trios elétricos por bloco;
2) Horário dos trios: até 19h;
3) Horários dos carros de som: até 22h;
4) Os blocos não poderão cruzar grandes corredores de transporte públicos;
5) Ocupação do espaço urbano: 6 horas
6) A cada trio elétrico, o bloco deverá disponibilizar uma ambulância com equipe médica;
7) Período de cobertura policial nas semanas pré e pós-Carnaval: 01/02 a 16/03;
8) Data limite para resposta do atendimento do apoio da PCR: 03/02
9) Inscrições dos blocos para licenciamento: 17 de janeiro (no site da PCR)
- See more at: http://www2.recife.pe.gov.br/pcr-e-policia-militar-anunciam-mudancas-para-semana-pre-carnavalesca/#sthash.l7dHqIIV.dpuf