sábado, 11 de março de 2017

Claudionor Germano: rei do frevo, patrimônio de Pernambuco

Aos 84 de idade e 70 de carreira, Claudionor Germano é o novo Patrimônio Vivo de Pernambuco. Nesta reportagem especial, o artista conta um pouco da trajetória que fez dele o maior divulgador do frevo no mundo. 

Michelle Assumpção



Claudionor Germano da Hora nasceu no Recife, no dia 10 de agosto de 1932. Nunca soube o porquê, mas seu aniversário sempre foi comemorado no dia 19 de abril. Não é uma informação que lhe interesse muito hoje, aos 84 anos, reconhecido Patrimônio Vivo de Pernambuco. São mais as memórias de quase setenta anos de atividade musical que ocupam sua narrativa, e seguem lhe dando o suporte para sempre mais um Carnaval. Mesmo tendo anunciado, há alguns anos que, “esse ano é o último”, Claudionor sente-se tão vivo e animado, que basta chegar mais uma época de folia de Momo que os convites já começam a aparecer e ele, pensando em dar conta. Atualmente também acalenta outras vontades, uma delas, que vai sendo estimulada pelas filhas, é gravar um disco com serestas e músicas românticas. “Quando comecei minha carreira na Rádio Jornal do Commercio era assim, então está nos planos gravar as serestas e ainda pretendo fazer”, conta Claudionor.

Irmão de Abelardo da Hora e do temido professor Bianor da Hora, Claudionor dividia a fama dentro de casa. Nas ruas, era o afamado cantor, mas não raro era abordado por desconhecidos: “Não é você o irmão do professor Bianor?”. Mas no Carnaval não tinha pra nenhum irmão. Eram seu nome e sua voz que ecoavam nas rádios e nos bailes da cidade. “O jornalista José Teles me disse que eu fui o único artista a comparecer às cinquenta e duas edições do Baile Municipal do Recife”, diz Claudionor, que até ano passado esteve na programação do tradicional festa de carnaval do estado. Este ano, o Baile comemora sua 57ª edição.

Claudionor Germano contabiliza 52 Bailes Municipais e 553 músicas gravadas.

Sua trajetória começa na Rádio Clube de Pernambuco, em 1947, depois segue para a Rádio Tamandaré e, por último, Rádio Jornal do Commercio. Dirigido pelo lendário maestro Guerra Peixe, tornou-se cantor da orquestra de Nelson Ferreira e, a partir de 1954, passou a integrar o elenco da Fábrica de discos Rozemblit. Sob o selo Mocambo, desta gravadora, passou a gravar, a partir de 1959, os frevos de Capiba. Foi Capiba quem o procurou dizendo que queria que ele gravasse seus frevos. Segundo o intérprete, Nelson Ferreira, “que era ciumento”, veio logo em seguida, pegando-o pelo braço e cobrando que ele gravasse seus frevos também.

Foi assim que foi gravado, em 1959 para o carnaval de 1960, o disco Capiba, 25 anos de Frevo; e o de Nelson Ferreira, O que eu Fiz e você gostou, com clássicos de frevos canções e marchas que até hoje estão na boca do povo. No ano seguinte, Nelson compôs e Claudionor gravou mais um álbum: O que faltou e você pediu. De Capiba, gravou Carnaval com C de Capiba. E não deixou de brincar com o famoso e conceituado compositor: Carnaval é com C, de Capiba e Claudionor.

Sua fama já era grande e o reconhecimento não faltou. Por seis anos, na década de 60, recebeu o prêmio de Melhor Cantor das rádios de Pernambuco. “Só reconheço os dois hexas, o meu de melhor cantor e do Clube Náutico do Recife”, brinca Claudionor, que apesar da torcida pelo time do timbu, gravou hino pros outros dois maiores times de Pernambuco: Santa Cruz e Sport. Sem falar nas músicas que também eternizou para o Asa de Arapiraca, o CRB de Alagoas, e o ABC de Natal.

Foi Capiba quem forneceu o maior número de composições que Claudionor já gravou. Foram 132 músicas somente deste compositor, num total de 553. O levantamento foi feito pelo amigo e pesquisador Antônio Batista, que mergulhou na trajetória fonográfica de Claudionor. “Ele me deu a relação com os títulos e assinou embaixo. Ele achou que eu não estava acreditando muito e desafiou, ‘pode ir lá na minha casa que eu te mostro’. Foi assim que o frevo me abraçou”, conta Claudionor, que com a popularidade de ser um rei do frevo, já foi representar o ritmo no Japão, Estados Unidos, Cuba e Argentina.

Sobre a amplitude da fama de Claudionor, o crítico musical e historiador José Ramos Tinhorão reconheceu e publicou:
“Embora tenha começado pelas canções de Vicente Celestino, embora não podendo deixar de sofrer, já rapaz, a influência fulminante do seresteiro carioca Orlando Silva… embora pagando o preço da moda, ao iniciar a carreira profissional na Rádio Club de Pernambuco em 1949 como crooner do conjunto Ases do Ritmo, foi como cantor de música tipicamente pernambucana que o estilo de Claudionor Germano se firmou. A ponto de, já em 1967, poder surgir diante dos milhares de brasileiros de todas as regiões que se acotovelavam no Estádio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, durante o II Festival Internacional da Canção, como a única voz capaz de emprestar o indispensável toque à vigorosa canção de Capiba, ‘São os do Norte que vêm’. Atualmente tão identificado com a música de sua região que pode ser considerado o cantor oficial do Recife… Claudionor Germano consegue, no entanto, um privilégio de que poucos artistas podem se orgulhar: sem sair de sua terra pode ser ouvido como uma autêntica voz nacional.”

sexta-feira, 10 de março de 2017

Carnaval injeta mais R$ 1.2 bilhão na economia de Pernambuco

Pesquisa realizada pela Empetur demonstra saldo positivo para o sucesso do Carnaval pernambucano 


O Carnaval de Pernambuco promoveu um incremento de R$ 1.238 bilhões na economia do Estado, em 2017. O valor é 2,7% superior em relação ao ano passado. O fluxo de visitantes, que engloba o número de turistas e excursionistas (visitantes que não pernoitam nem residem no entorno do local visitado), sofreu uma pequena queda de 1,1%, passando de 1.6 milhão para 1.582 milhão de visitantes. Os dados fazem parte da pesquisa realizada pela Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer de Pernambuco, por meio da Empresa de Turismo de Pernambuco (Empetur), entre os dias 25 de fevereiro a 05 de março. 

Os dados da pesquisa revelaram ainda o perfil do turista nacional. Os estados do Nordeste corresponderam a aproximadamente 40% dos turistas recebidos por Pernambuco, principalmente o Ceará (8,57%) e a Bahia (8,04%). Individualmente, São Paulo continua sendo o principal emissor de visitantes nacionais (27%), seguido do Rio de Janeiro (10,7%) e Distrito Federal (4,18%). Entre os estrangeiros, o destaque ficou para Argentina (40,3%), Uruguai (10,4%), Alemanha (5,97%) e França (5,9%).  A ocupação hoteleira em Pernambuco ficou em torno de 94%, um acréscimo de 2,49% em relação a 2016, quando o índice marcou 91,6%. Se levarmos em consideração apenas o Recife, a ocupação ficou em 97%, cerca de 1% a mais do que em 2016. Na RMR, os hotéis tiveram 96% dos seus quartos ocupados, 3,82% superior ao último Carnaval. 

O gasto médio individual diário foi de R$ 177,50, tendo como permanência média em Pernambuco de 8,5 dias. "Esses números ratificam que o Carnaval, mais do que uma festa, é um grande negócio que gera emprego e renda para os pernambucanos. Muita gente conseguiu iniciar o processo de recuperação econômica diante de uma época tão sensível na economia brasileira. Também tiveram aqueles que conseguiram uma renda extra. Isso é muito importante, pois dezenas de setores foram impactados antes, durante e depois dos dias de Momo", comemora o secretário de Turismo, Esportes e Lazer de Pernambuco, Felipe Carreras. 

Em 2017, durante o período pré-carnaval até a quarta-feira de cinzas, o Aeroporto Internacional do Recife teve uma movimentação de 181,194 mil pessoas, um crescimento de 2% no mesmo período do ano anterior. Os principais aeroportos emissores foram Guarulhos (São Paulo), Galeão (Rio de Janeiro) e Aeroporto de Salvador (Bahia). 

O Carnaval de Pernambuco foi aprovado por 95,2% dos entrevistados, que avaliaram os eventos, os equipamentos, os serviços e a infraestrutura turística. Prova disso é que 98,6% deles afirmaram que recomendariam o Carnaval para outras pessoas.  

A metodologia utilizada na pesquisa realizada pela Empetur é aprovada pela Organização Mundial do Turismo (OMT) e leva em consideração os dados coletados em diversas sondagens para projetar números globais.

SECRETARIA DE TURISMO, ESPORTES E LAZER DE PERNAMBUCO 

sexta-feira, 3 de março de 2017

Xinelo Rasgado (Carnaval do Recife 2017 - Polo Ipsep)

Carnaval 2017 em Olinda reúne mais de dois milhões de foliões e gera mais de 60 mil empregos

A folia gerou aproximadamente 60 mil empregos diretos e indiretos e um R$ 120 milhões em recursos injetados na economia da cidade


No Carnaval 2017 Olinda recebeu um total de 2.300.000 (dois milhões e trezentos mil) visitantes subindo e descendo as ladeiras, acompanhando as orquestras e assistindo aos shows nos polos e palcos da festa. Desse total de foliões, cerca de um milhão foram turistas, vindos de diferentes partes do Brasil e do mundo, que fizeram a taxa de ocupação hoteleira atingir 97%.
A folia gerou um total de aproximadamente 60.000 (sessenta mil) empregos diretos e indiretos e um R$ 120.000.000,00 (cento e vinte milhões de reais) em recursos injetados na economia da cidade. O gasto com a festa foi em torno de nove milhões de reais, sendo 70% desse valor um investimento de patrocínio oriundo da iniciativa privada, da Fundarpe – Governo do Estado de Pernambuco e Ministério da Cultura.
Os dados do balanço do Carnaval foram apresentados nesta quinta-feira (02) durante coletiva de imprensa no Palácio dos Governadores, sede da gestão municipal. “Eu estou feliz, muito realizado. Sabemos que precisamos melhorar para que o folião tenha mais conforto. Vamos montar a realização de um seminário para organização do Carnaval de 2018 já a partir do segundo semestre. Esse ano nós assumimos e tivemos pouco mais de um mês para fazer um dos maiores eventos do mundo”, comentou o prefeito Professor Lupércio, prefeito de Olinda.
Neste Carnaval, um total de 242 apresentações de artistas de Pernambuco foram realizadas nos dez polos de animação oficial e três mini polos, mais o Cortejo de Saudação ao O Homem da Meia-Noite, 230 orquestras itinerantes, 500 Blocos oficiais nos dias de festa e mais de mil agremiações, blocos, troças, maracatus, afoxés e orquestras de frevo que incrementaram o Carnaval. Os palcos tiveram uma excelente participação de público, que variou entre cinco e 15 mil pessoas por noite.
Outro destaque deste ano foi a cerimônia de abertura da festa, que voltou a ser realizada em frente à Prefeitura e foi um momento único na história da cidade, com 19 agremiações representativas de todos os seguimentos do Carnaval olindense, além do Galo da Madrugada, convidado do Homem da Meia-Noite e o show de Alceu Valença, responsável por abrir e fechar a folia olindense.
Os serviços de saúde realizaram um total de 760 atendimentos clínicos adultos e 250 infantis somando a Policlínica Barros Barreto, o Hospital do Tricentenário e o Serviço de Pronto Atendimento (SPA) de Peixinhos. Ainda pela Secretaria de Saúde 446.800 preservativos foram distribuídos.
Este ano Olinda registrou um total de 1.300 ambulantes para comercializar durante a semana de festa. Ao todo 15 mil garrafas de vidro foram trocadas por outras de plástico e a vigilância sanitária efetuou 670 inspeções. A central de Achados e Perdidos recebeu 1.629 itens, dos quais 116 já foram entregues.
Através da Secretaria de Desenvolvimento Social Cidadania e Direitos Humanos, o Camarote de Acessibilidade acolheu 364 pessoas no somatório dos quatro dias e o espaço Folia Cidadã recebeu 380 crianças e adolescentes encontrados em situação de trabalho infantil ou acompanhando os pais que estavam comercializando ou catando material reciclável.
A festa foi realizada com ações conjuntas das secretarias de Patrimônio e Cultura, Desenvolvimento Social Cidadania e Direitos Humanos, Saúde, Meio Ambiente Urbano e Natural, Segurança Urbana, Serviços Públicos, Transportes e Trânsito e Turismo, Desenvolvimento Econômico E Tecnologia.

quinta-feira, 2 de março de 2017

Prefeito Geraldo Julio: “Tivemos o melhor e maior Carnaval de rua do Brasil”


Mais uma vez a cidade do Recife fez uma festa para encher de orgulho recifenses e visitantes. De acordo com organização e com os próprios foliões, o Carnaval 2017 foi a maior festa de rua do Brasil, se destacando pela eficiência dos serviços e ainda pela segurança. Cerca de 1,3 milhão de pessoas circularam pelos 47 polos oficiais montados pela Prefeitura do Recife espalhados pela cidade. Na tarde desta quarta-feira (1º), o prefeito Geraldo Julio comandou a coletiva de imprensa de balanço do evento e apontou números que comprovam o sucesso desta edição.
“Estamos muito felizes com o resultado do Carnaval do Recife. Os artistas deram, literalmente, um show, mais uma vez o folião fez um grande Carnaval, muito alegre, de paz, um carnaval de muita gente nas ruas, espontâneo. A infraestrutura funcionou, a segurança funcionou, todos os serviços funcionaram”, declarou o prefeito Geraldo Julio, que ainda mencionou o incremento na ocupação da rede hoteleira , que no ano passado foi de 90% e este ano subiu para 97%, segundo dados da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH).
De acordo com uma pesquisa encomendada pela Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer ao Centro Integrado de Pesquisas e Comunicação (Cipec), o Carnaval do Recife 2017 superou ou atendeu às expectativas de 87,7% dos turistas. Dos entrevistados, 97,4% pretendem voltar para brincar Carnaval no Recife e  98,5% recomendam a festa, que foi considerada ótima ou boa por 90,2% dos visitantes.
“Estamos comemorando estes números e só tivemos índices satisfatórios, nossos turistas saíram satisfeitos. Fizemos realmente uma festa para ficar na memória dos foliões”, afirmou a secretária de Turismo, Esportes e Lazer, Ana Paula Vilaça.
Os visitantes também destacaram a decoração, que este ano exaltou a arte urbana, com desenhos feitos por grafiteiros, como o principal ponto positivo da festa, sendo citado por 27,7% dos entrevistados. Os shows gratuitos , os blocos de rua, a animação da cidade, bandas locais e cultura local também foram lembrados. “Foram mais de 2 mil apresentações, em quase 50 polos com o melhor que temos aqui na nossa terra”, disse o presidente da Fundação de Cultura, Diego Rocha.
Durante a entrevista coletiva foi feita uma homenagem aos trabalhadores e trabalhadoras que participaram da organização do Carnaval do Recife. Um integrante de cada um dos serviços prestados pela Prefeitura do Recife, entre garis, varredores, orientadores e agentes de trânsito, guardas municipais, fiscais de controle urbano e outros representaram o corpo de servidores da Prefeitura que se mobiliza para a maior festa de rua do Brasil.
"Tivemos uma festa muito bonita e ela só foi possível porque tivemos uma grande equipe, super competente e dedicada nos bastidores. Esses trabalhadores, todos que atuaram no Carnaval em todas as funções, órgãos vinculados e todos os trabalhadores da Prefeitura do Recife estão de parabéns. A eles, a vocês todos aqui presentes, o meu muito obrigado", disse o prefeito Geraldo Julio
A mobilidade foi outro destaque da festa. Novas intervenções de trânsito com novas interdições para automóveis particulares, priorizando o transporte coletivo e táxis garantiram mais fluidez para a chegada e saída dos polos, especialmente nos polos centrais. O Expresso da Folia e os estacionamentos gratuitos no bairro do Recife repetiram o sucesso de anos anteriores. A Ponte Duarte Coelho, onde foi  montada a estrutura do Galo da Madrugada, já está liberada para o tráfego normal de veículos. A expectativa da CTTU é que o trânsito do Recife volte a normalidade com todas as vias liberadas para a passagem de veículos ainda no fim desta tarde, exceto no Cais da Alfândega, onde está montado o palco utilizado no festival Rec-Beat, com previsão de desmontagem às 14h do sábado (4).
Outro ponto de destaque foi o Carnaval Acessível, que este ano fez o traslado de pessoas com deficiências em vans adaptadas e teve um guichê especial com atendimento acessível dentro da Central do Carnaval, com toda a estrutura para atender esses foliões. A Central do Carnaval como um todo atendeu a 400 mil pessoas nos cinco dias de festas, que contou, cada um deles com 600 agentes da Guarda Municipal auxiliando a Polícia Militar na segurança do evento. 

Neste Domingo, tem Bloco da Ressaca da Zona Norte