terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Agenda Cultural do Recife entrevista Maestro Forró

Por: Anax Botelho 
Fotos: Eric Gomes/Divulgação 


A festa de momo há anos ganhou um artista e personagem cativante no Recife e em todo Pernambuco, o Maestro Forró. No comando da Orquestra Popular da Bomba do Hemetério, o músico é responsável por releituras de clássicos do frevo, renovação e apresentações marcantes para todos os foliões. Este ano, não é à tôa, é um dos homenageados do Carnaval do Recife e, nesta edição da Agenda Cultural do Recife, fala um pouco da sua história. 

Agenda Cultural: Como despertou o seu interesse pela música? 

Maestro Forró: Dentro da família. Com cinco anos, comecei a me apresentar. Tocava zabumba ao lado do meu pai, Zé Amâncio do Coco, que é de Aliança. Ele é a maior referência em Coco de Roda da Bomba do Hemetério, mas não se limita só a esse ritmo. Carrega em seu universo referências de diversos ritmos populares. Meu pai é uma das influências mais fortes em minha formação. Trouxe toda a diversidade cultural da Zona da Mata, com seus maracatus, cirandas, cavalos marinhos e afins. 
Em casa eu tinha meu pai e, nas ruas da Bomba, via os ensaios e desfiles dos maracatus Nação Elefante e Leão Coroado, além das apresentações da Tribo Canindé (caboclinho), do Reisado Imperial e outros grupos populares. Isso também mexia muito comigo. 
Anos depois, meu irmão, Givanildo Amâncio, o Maestro Gil, tornou-se pianista. Ele se foi meu primeiro contato com a música erudita. Pouco depois, comecei as primeiras aulas da linguagem acadêmica musical com o Professor José do Nascimento Tenório, no Colégio Dom Vital, em Casa Amarela, onde fiz parte da banda de música. 
Aí, com base popular e erudita, fui percebendo que é possível unir essas suas vertentes em um tipo de música plural e desburocratizada. Hoje, trabalho para fazer uma música acessível a todos os públicos. 

AC: Qual é a origem do seu nome artístico? 

MF: Nos anos 1980, a lambada era o ritmo do momento. Mas eu escutava muito forró por conta do meu pai. Em uma festa de São João na escola de música, meus colegas pediam para cantar uma lambada atrás da outra. Na minha vez de cantar, toquei composições de forrozeiros como Azulão, Luiz Gonzaga e Jackson do Pandeiro. O professor Tenório se impressionou com o repertório e passou a me chamar de Forró. Aí pegou e nunca mais saiu. 

AC: Em toda sua história na música, quais fatos você considera inesquecíveis? 

MF: Ah, tem muita coisa! Muita mesmo... mas a homenagem que eu recebi, em 2010, do Homem da Meia-Noite, foi muito linda. Naquele ano, fui homenageado no desfile dos Bonecos Gigantes, em Olinda. Uma bela hora, surge o Homem da Meia-Noite. Ele nunca sai de dia, entende? Isso me emocionou. Ano passado, recebi outra homenagem dele [Homem da Meia-Noite], mas desta vez do bloco dele mesmo. Regi a saída da Orquestra. É um patrimônio cultural do Estado que reconhece meu trabalho, fiquei feliz com essa generosidade. 

Dois trabalhos que fiz com o Maracatu Nação Pernambuco, antes de criar a Orquestra, também foram inesquecíveis. Trabalhei no espetáculo Uma Noite Brasileira em Paris, em temporada de três meses na casa de espetáculos Divan du Monde, no ano 2000; e dois anos depois, como arranjador e músico/instrumentista em turnê de três meses na China. Foram muito fortes porque foram trabalhos maravilhosos executados durante um período razoável no exterior, em meio a culturas diferentes. Muito bom. 
Não posso deixar de citar, também, os momentos em que recebemos, eu e a Orquestra, a medalha Leão do Norte (2011) e a Ordem do Mérito Cultural (2012). Essa última foi entregue pela presidenta Dilma. Meu amor pela cultura proporcionou essas experiências. Nunca vou esquecer. 

AC: O bairro da Bomba do Hemetério é determinante na sua produção musical? 

MF: Sem sombra de dúvida. A riqueza cultural da Bomba é inegável. Como fui criado lá, minhas influências, diretas e indiretas, passam pela cultura viva do bairro. Temos caboclinhos, troças, maracatus, reisados, bois, escolas de samba, urso, afoxé, clube de frevo, tribo de índios, quadrilhas juninas e bonecos. Não tem como ser diferente. 

AC: Sua performance nas apresentações é um dos destaques, o que você sente na hora? 

MF: Cada apresentação, na verdade, começa bem antes de chegarmos ao palco. Eu diria que o início de tudo vem do processo de criação, buscando o melhor possível para o público. Nesse caminho, vem a expectativa de tudo dar certo, de poder interagir com as pessoas, levando e recebendo energia. Esse caldeirão de emoções é indescritível! É tão maravilhoso que se transforma no elemento vital que para que eu, assim como as demais pessoas que trabalham com cultura, acorde, trabalhe e siga frente amando o que faz. 

AC: Como você definiria sua música? 

MF: Olha, minha música é divertida, animada... ela é resultado de um esforço enorme, meu e da Orquestra. O trabalho é feito com base em quatro pilares: pesquisa, manutenção, releitura e interação cultural. Isso veio fortalecer a qualidade técnica e a espontaneidade a execução musical da Orquestra. Quero desmistificar e desburocratizar a figura dos tradicionais maestros. Minha ideia é “eruditizar o popular e de popularizar o erudito”. Transfiro isso para a Orquestra. Os músicos são muito parceiros, muito dedicados ao trabalho, e isso passa para o resultado final. O público gosta do que fazemos, o que indica como estamos azeitados e no caminho certo. Isso me deixa feliz. 

AC: Você tem uma carreira internacional bastante consolidada, como em Cuba, por exemplo. O que você gosta de mostrar em outros países? 

MF: Gosto de levar nossa cultura. Em Cuba, estive ano passado para gravar a segunda temporada do programa Andante, no qual estabeleço diálogo entre a cultura desses locais e a de Pernambuco. Fiquei impressionado. Recebi, pouco depois, um convite para participar do Festival Del Caribe, que é um dos maiores da América Central. Toquei frevo nas apresentações e dei oficinas de cultura popular a músicos experientes e jovens de lá. Mas nosso trabalho já chegou à Europa e aos Estados Unidos, onde nos apresentamos com impressionante sinergia com o público. Sempre que vou para outro estado ou país, é para mostrar o que Pernambuco produz de melhor. 

AC: 2016 já começa com tudo para você, sendo homenageado do Carnaval do Recife, mas o que você espera do ano? O que você tem de novidade para apresentar? 

MF: Planos, tenho muitos. Posso adiantar que quero lançar a segunda temporada do programa Andante no segundo semestre. Estou trabalhando para lançar um CD e também para sair em turnê Brasil afora com o projeto Fole Assoprado, comemorando uma década desse trabalho. O Fole Assoprado consiste no uso dos instrumentos de sopro para reproduzir o som da sanfona, executando forrós, xotes e baiões de uma forma totalmente particular. Mas ainda estamos negociando financiamento e produção dessas ações.

Conexão: Quem faz o frevo germinar

FONTE: AGENDA CULTURAL DO RECIFE
JORNALISTA: JACIANA SOBRINHO

As notas de tempo curto, o ritmo acelerado e melodias contagiantes misturam-se ao colorido das sombrinhas e aos passos ligeiros e hipnotizantes dos passistas. Ninguém tem dúvida: lá vem o frevo. O ritmo mais pernambucano de todos tem mais de 100 anos, incontáveis histórias e o título de Patrimônio Cultural Imaterial da Humanidade concedido pela Unesco. Mesmo sendo uma tradição e guardando tantas honrarias, o frevo faz força para resistir às durezas do tempo. O rótulo de música sazonal e local que lhe atribuem é algo a ser superado, uma quimera para tantos que viveram e vivem em torno de sua existência. 

Seja de bloco, canção ou de rua, o estilo musical remete a maioria das pessoas ao carnaval, mesmo que seja gravado num disco de artistas de renome nacional - como Lenine, Elba Ramalho, Alceu Valença, Gilberto Gil e Caetano Veloso, por exemplo - diferente do samba que toca o ano inteiro em todo o Brasil, tanto em shows e festas, como nas rádios, sem necessariamente fazer referência ao carnaval, só para fazer uma breve comparação. 

Alguns músicos muito apaixonados pelo gênero seguem suas carreiras contrariando o conceito de que essa estética pertence apenas à folia de Momo, a exemplo do Maestro Forró – homenageado do Carnaval do Recife 2016, Maestro Spok e Luciano Magno. Os três circulam pelo Brasil e em outros países sempre com espetáculos nos quais o frevo é o astro maior. “Sou de uma geração que só tocava frevo quatro dias por ano. Hoje eu vivo dele, trabalho no Paço do Frevo, espaço que ajudei a idealizar, e esse lugar é uma janela para um grande sonho meu que é ver nosso ritmo conhecido no mundo todo, sem fronteiras e sem bairrismos”, afirma Spok. 

Para ele, muitos anos irão se passar até que esse sonho – que não é só dele - se torne realidade. É aí que surge uma preocupação em salvaguardar o ritmo e difundi-lo às novas gerações para que seja perpetuado. Esse trabalho vem sendo desenvolvido cuidadosamente por instituições como o Paço do Frevo, a Escola Comunitária de Música Bomba do Hemetério e a Orquestra Mirim do Galo da Madrugada. 

A Orquestra Mirim é mantida pelo Galo da Madrugada e atende crianças gratuitamente durante o ano inteiro. “Nós ensinamos música em geral, mas nosso forte é o frevo. Somos procurados por crianças que de alguma maneira conheceram o ritmo, que tem um interesse em aprender a tocar um instrumento, principalmente os de sopro que tem uma execução mais difícil quando o assunto é o frevo”, conta o professor Fábio Lima – filho do maestro Lima Neto, regente da orquestra – da escola de música do Galo. Uma dessas crianças talentosas é o aluno Pedro Artur Valença, 12 anos, que toca clarinete e bateria, além do sax que é o seu instrumento nessa orquestra. 

Residente da cidade de Goiana, Pedro começou a tocar bateria aos três anos incentivado pelo pai. Aos sete, começou a estudar clarinete na Sociedade Musical Curica, uma importante banda da cidade com 169 anos de existência. Em 2013, descobriu a Orquestra Mirim, onde também estuda, desde então. “Um dos motivos de eu vir para o Recife foi o frevo, porque eu amo esse ritmo, amo tocar isso”, conta. “Eu gosto de tocar várias coisas, mas a que mais me anima mesmo é Vassourinhas. Além de ser uma música bonita, bem trabalhada no sax, trompete e trombone, tem as variações que hoje em dia se chama de improviso, e que a gente pode brincar com isso”, acrescenta. 

O saxofonista lembra que sempre gostou de ouvir as composições dos maestros Duda e Clóvis Pereira que são mais tradicionais e recentemente conheceu o trabalho de Spok, que gosta de improvisar e isso o incentiva. Pedro conhece o ídolo pessoalmente e já tocou no palco com ele três vezes. “Lá em Goiana eu toquei duas vezes e uma vez aqui em Recife. Nessa última vez, em janeiro passado, fui assistir a um espetáculo. Ele me viu na plateia, perguntou pelo meu sax e me mandou buscá-lo. Aí, ele anunciou no palco assim: ‘vou chamar um grande artista mundial’. Já pensei que não era eu, aí, ele falou meu nome”, conta com sorriso largo. 

Formar novos ouvintes e passistas de frevo é uma das grandes dificuldades que envolvem a renovação do estilo musical. No entanto, algumas iniciativas como workshops voltados para o ritmo tem sido cada vez mais frequentes Brasil a fora. O instrumentista, arranjador e compositor Luciano Magno lembra que este ritmo é um dos gêneros musicais mais desafiadores para os músicos e fala da importância de se passar o conhecimento técnico adiante. “É uma escola virtuosa, assim como o choro e o jazz, por isso é importante trazer a informação por meio dos conceitos teóricos e também sua história para a nova geração”. 

“A gente observa que existe uma tendência à manipulação da grande mídia em torno da música de baixa qualidade e fácil consumo que chega a beirar a característica de lixo musical. O que não é estudado não pode ser compreendido”, diz o músico que lançou há dois anos um livro chamado Guitarra no Frevo (editora DPX). Luciano tem sido convidado para diversas oficinas e sente que algo está se modificando. “Tenho percebido um interesse crescente pelo frevo por jovens músicos do sudeste e sul do país. Eles me escrevem pedindo partituras e querem saber da minha agenda. Fui à Curitiba realizar uma oficina e havia uma caravana indo de São Paulo para participar do curso, imagine”, comenta ele. 

A mesma experiência tem se repetido com o Maestro Spok que há três anos encontra pessoas de diversos países que buscam aprender o frevo. “Sempre no mês de agosto viajo para a Califórnia para dar aulas num camp. Encontro gente de todo lugar querendo descobrir o ritmo, curiosos e ávidos pelo conhecimento”, conta Spok. 

Representando também essa semente que faz o frevo resistir e germinar aqui no Recife, conhecemos mais dois alunos da Orquestra Mirim, Williane Cristin, 16 anos, e Guilherme Henrique, 15 anos. Ela é a única menina do grupo e toca trompete. Tem muito orgulho do seu talento e um grande amor pelo frevo. “Eu sou pernambucana e gosto de frevo no pé. De todas as festas o carnaval é a mais legal por causa do frevo. Quero aprender a tocar ainda mais porque quanto mais eu aprender mais condições eu tenho de ensinar isso a muitas outras pessoas”, comenta. 

Já Guilherme é responsável pela percussão que contagia a todos quando se ouve um frevo. “Acho que temos que preservar a cultura do nosso país, principalmente a do nosso estado. O frevo me emociona, é lindo. Eu ouço todo tipo de música, mas esse é o meu predileto”, afirma. Tanto Pedro, quanto Williane e Guilherme sonham em ser músicos profissionais e viver dignamente com seu trabalho. Embora saibam que muitos profissionais do ramo precisam sair de Pernambuco para se estabilizar na carreira, os três comungam da mesma esperança e acreditam que esse cenário pode mudar no futuro. 

Spok, que faz consultoria para a Orquestra Frevescência do Paço do Frevo e colabora com outros trabalhos na instituição, lembra que para se alcançar a execução perfeita do frevo é preciso se dedicar ao estudo pensando em médio e longo prazo. “Acredito no trabalho de iniciativas como o Paço do Frevo, acho que estamos no caminho certo, mas creio que ainda temos muito a conquistar no que diz respeito à sistematização do frevo. Somos iniciantes nisso, mas precisamos insistir pois, uma hora alcançaremos o objetivo maior disso tudo: que a alma do frevo seja percebida e compreendida em todo o mundo”, afirma. 

O maestro faz questão ainda de ressaltar o talento das crianças da Orquestra Mirim do Galo: “Essas crianças devem ser cada mais vez estimuladas e apresentadas a verdadeira alma do frevo. São pérolas valiosas e não podem correr o risco de crescer sem se apropriar do que há de mais bonito da música pernambucana e da nossa cultura”, finaliza. 

Saiba os locais onde se pode aprender mais sobre o frevo: 

Paço do Frevo 
Praça do Arsenal da Marinha, s/n - Bairro do Recife 
Informações: 3355-9500 / www.pacodofrevo.org.br 

Orquestra Mirim do Galo 
Rua da Concórdia, 736 – Bairro de São José 
Informações: 3225.0138 

Escola Comunitária de Música Bomba do Hemetério 
Rua Pastor Benoby Carvalho de Sousa, 173-A - Bomba do Hemetério

terça-feira, 16 de fevereiro de 2016

Cadê o Galo do Zeca

Carlinhos Monteverde 
(81) 99970.5475 | 98643.2289 

Inspirado pelo legado de grandes artistas como Luiz Gonzaga, o rei do ritmo Jackson do pandeiro, Alceu Valença, Gilberto Gil, Geraldo Azevedo e Reginaldo Rossi, Carlinhos Monteverde, artista com mais de 20 anos de carreira, lança seu novo disco: Cadê o Galo do Zeca. Em 15 faixas autorais, algumas assinadas com os parceiros Walter Lins, Osvaldo Araújo e Arguna, Carlinhos traz o bom e autêntico forró, alternando as canções entre histórias de amor e contos sobre as coisas simples do nordeste.



Pernambuco recebeu 1,7 milhão de turistas durante o Carnaval. Impacto econômico foi de R$ 1,2 bilhão

O Carnaval de Pernambuco nunca recebeu tantos turistas como em 2016. No total, o Estado foi visitado por 1,7 milhão de foliões do Brasil e do exterior. O número é 12% superior ao de 2015, o que demonstra uma procura maior pelos dias de Momo no Estado. O fluxo de visitantes significou um impacto de R$ 1,2 bilhão na economia, valor que supera em 4,3% o do último ano. Os hotéis por pouco não atingiram a ocupação máxima. No Estado, 96,5% dos leitos foram ocupados, contra 94,5% em 2015. A permanência foi de aproximadamente 7 dias no Estado.
O gasto médio dos turistas também superou o do ano passado. Os brasileiros gastaram R$ 183 (2% a mais do que em 2015) por dia, enquanto o estrangeiro, R$ 195 (22% a mais do que em 2015). Entre os estrangeiros, destaque para os argentinos, que aumentou em 246% sua fatia no número de turistas que desembarcaram no Estado, chegando a 33% do total. Os norte-americanos ficam em segundo lugar, com um incremento de 10% e 9,62% do total.
Com tantas pessoas desembarcando diariamente, o Aeroporto Internacional do Recife superou a marca de 310 mil passageiros circulando pelo local, 9% a mais que em 2015. Ainda tiveram 113 voos extras (71,2% a mais do que em 2015) vindos do Ceará e de São Paulo, que permaneceu no topo dos emissores nacionais, com 25,13% do total, à frente do Rio de Janeiro, com 17,5%, do Ceará, com 10,36%, e Bahia, com 10,32%.
No TIP, cerca de 70 mil pessoas desembarcaram para curtir os dias de Carnaval em Pernambuco. Eles vieram, principalmente, da Paraíba, do Ceará, de Alagoas, do Rio Grande do Norte e da Bahia. O investimento em toda a festa foi de R$ 15,5 milhões.
“Tivemos um grande Carnaval, com números expressivos e com um impacto importantíssimo na economia. Conseguimos reunir pessoas de várias partes do mundo em uma grande celebração, divulgando nosso Estado de várias formas antes e durante os dias de festa. Os trabalhos impactaram diretamente os nossos visitantes. Tanto que 96,5% informaram que voltarão e indicarão o nosso Carnaval para amigos. Isso é muito importante e demonstra claramente que o trabalho desenvolvido pelos municípios e pelo Governo do Estado tem agradado não apenas os pernambucanos, mas também os turistas”, declarou o secretário de Turismo, Esportes e Lazer de Pernambuco, Felipe Carreras.
Por ser um estado vocacionado para o bom Carnaval, a folia de Momo não ficou restrita apenas à Região Metropolitana do Recife. Os municípios de Arcoverde, Belém de São Francisco, Bezerros, Catende, Ipojuca, Itamaracá, Nazaré da Mata, Paudalho, Pesqueira, Petrolina, Salgueiro, Surubim, Tamandaré, Timbaúba, Trindade, Triunfo e Vitória, além do Recife e Olinda montaram polos com apoio na contratação de artistas por meio do Governo de Pernambuco.
Confira os números dos principais polos do interior do Estado:
Nazaré da Mata - 6.129 visitantes, entre turistas e excursionistas; ocupação de 90% na rede hoteleira, com receita turística de R$1.011.017,37. Atrações: 70 Maracatus e 27 blocos.
Bezerros - 34.941 visitantes, entre turistas e excursionistas; ocupação de 95% na rede hoteleira, com receita turística de R$10.226.047,36. Atrações: 50 blocos.
Gravatá - 35.070 visitantes, entre turistas e excursionistas; ocupação de 85,82% na rede hoteleira, com receita turística de R$9.808.659,12. Atrações: 37 apresentações.
Triunfo - 11.884 visitantes, entre turistas e excursionistas; ocupação de 100% na rede hoteleira, com receita turística de R$3.954.245,61. Atrações: 30 blocos
RMR – 968.487 visitantes, entre turistas e excursionistas; ocupação de 99% na rede hoteleira, com receita turística de R$ 944.152.928,93. Atrações: 3.004 apresentações de palco, agremiações, troças e blocos.
Na programação do Carnaval de Pernambuco, as secretaria de Turismo, Esportes e Lazer e de Cultura apoiaram os municípios com shows em palcos e desfiles de cortejos populares nas ruas. Toda a grade foi montada a partir de uma convocatória estadual, que resulta em uma parceria entre Governo do Estado e prefeituras municipais.
Para compor o carnaval das cidades, o Governo contratou grandes atrações do Estado, tais como Spok Frevo, Alceu Valença, Almir Rouche, André Rio, Ayrton Montarroyos, Ed Carlos, Elba Ramalho, Geraldinho Lins, Geraldo Azevedo, Lenine, Maestro Forró, Marrom Brasileiro, Nono Germano, Benil, entre outros. Além deles, ainda tiveram as agremiações tradicionais do Carnaval, voltadas mais para o lado cultural, como Gigante do Samba, Coco de Umbigada, Flor da Lira de Olinda, Maracatu Estrela Brilhante do Recife, Escola de Samba Preto Velho, Clube Carnavalesco Misto Bola de Ouro, Afoxé Alafin Oyó, Bloco das Flores, Caiporas de Pesqueira, entre outros.
Entre os patrimônios vivos de Pernambuco, foram contemplados nomes como Maracatu Carnavalesco Misto Leão Coroado, Mestre Galo Preto, Caboclinho Sete Flexas do Recife, Orquestra Capa Bode, Orquestra Revoltosa, Lia de Itamaracá, Orquestra Euterpina de Timbaúba, Maestro Duda e Maestro Ademir Araújo. No afoxé, participaram o Largo de Guadalupe, em Olinda, foi o endereço de um encontro de afoxés, na quarta-feira de Cinzas. Participaram do encontro os grupos Afoxé Ara Odé, Afoxé Alafin Oyó, Afoxé Oxum Pandá, Afoxé Omo Oba Dê, Afoxé Povo de Ogunté, Afoxé Oba Aira, Afoxé Oba Irokô, Afoxé Omo Inã, Afoxé Omin Sabá, Afoxé Filhos de Xangô e Afoxé Ogbom Obá.
Ações do Marketing da Empetur para o Carnaval 2016

REALITY SHOW - A Empetur promoveu o reality ‘Pernambuco é o Lugar!’, onde Webcelebridades de seis estados (Rio de Janeiro, São Paulo, Ceará, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Distrito Federal) participaram de uma votação e foram escolhidas para conhecer e vivenciar as potencialidades do destino Pernambuco. A ação tem como finalidade ampliar a presença da divulgação turística do Estado na TV e na internet, ambiente que influencia cada vez mais a decisão de compra dos viajantes. Os programas foram transmitidos no meio da programação da Band Nordeste e Band Sat durante a cobertura do Carnaval e disponível pelo canal do youtube Descubra Pernambuco. Foram quatro programas de 300 minutos, veiculados durante os dias de Momo para 750 municípios, 34 milhões de pessoas, por meio da TV aberta, e 26 estados e 22 milhões de residências por meio da TV fechada.
DECORAÇÃO AEROPORTO – A decoração começa nos dez fingers. O local recebeu mais de três mil sombrinhas de frevo e foi todo adesivado com a campanha oficial do Carnaval de Pernambuco e informações que podem auxiliar o turista durante a sua estadia aqui, como o hotsite oficial e as redes sociais de promoção turística do Estado. Nos corredores do desembarque, bonecos gigantes, caboclos de lança em tamanho real, teto, painéis com os principais destinos turístico do Estado, painéis para fotografias e um receptivo cultural especial, com orquestra de frevo. A decoração foi inaugurada no dia 21 de janeiro e ficou até a quarta-feira de cinzas. Mais de 300 mil pessoas foram impactadas.
FLASHMOB DA FOLIA – A Secretaria promoveu um receptivo especial para os turistas com parceria da Gol, TAP da Infraero. Os visitantes foram recebidos com sombrinhas personalizadas na esteira. Depois entraram duas malas com passistas, que saiam da bagagem e a orquestra de frevo começava a tocar. Após isso, 15 passistas e papangus de Bezerros entravam em cena e faziam os visitantes cair na folia. Ação aconteceu em 10 voos, sendo nove nacionais da Gol e um internacional da TAP, foram entregues sombrinhas de frevos para cerca de 2.300 passageiros de voos provenientes do Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, São Paulo e Portugal.
ZAP DA FOLIA - Com o objetivo de levar mais informações para os turistas que irão aproveitar as prévias e os dias de carnaval, a Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer de PE, por meio da Empetur criou o Zap da Folia. O serviço funcionou entre o dia 29 de janeiro e 10 de fevereiro, pelos números 81-99251-1757 (telegram) e (81) 991 642 520 | (81) 994 082 455 | (81) 989 922 627 (whatsapp). Os usuários dos dois aplicativos contaram com informações sobre programações dos polos de folia, roteiros alternativos (campo e praias), além de telefones úteis e serviços. A plataforma estava disponível em português, inglês e espanhol. Durante o funcionamento o serviço realizou 3.429 atendimentos.
FOLDER CARNAVAL – A Empetur criou um material com informações sobre dicas de folias em diversos municípios de Pernambuco. No folder também conta com opções para quem prefere um descanso durante o período de Carnaval, além de telefones úteis para os turistas. O material esteve disponível nos Centro de Atendimento ao Turista –  CATs ou nas prefeituras e teve tiragem de 20 mil.
FAMPRESS – Durantes os dias de Carnaval, a Empetur promoveu fampress com 12 jornalistas nacionais e internacionais (Argentina e Portugal). Os jornalistas conhecerão um pouco do Carnaval do Recife, Olinda, Bezerros e Nazaré da Mata, além da cultura e gastronomia de Pernambuco.
CAMPANHA – Com a finalidade de atrair turistas e excursionistas das capitais mais próximas de Pernambuco – João Pessoa, Maceió e Natal – o Governo do Estado veiculou o vídeo promocional do Carnaval do Estado nas TVs das três cidades.
FOTOS DE TURISTAS – O concurso teve como objetivo que os turistas postassem fotos  com a hashtag #CarnavalemPernambuco e que tivessem as fotos expostas nas TVs e painéis de embarque do Aeroporto, telão do palco do Marco Zero durante o Carnaval do Recife Antigo e nas redes sociais do Descubra Pernambuco. Foram postadas 4.838 fotos.
CULTURA PERNAMBUCANA – Concurso com rádios locais em Bezerros (Papangus) e Pesqueira (Caiporas), incentivando o folião a sair com a fantasia característica da sua cidade e postarem as fotos em redes sociais com a hashtag #CarnavalemPernambuco. As rádios animarão o dia da festa distribuindo brindes para as melhores fantasias.
AÇÃO AZUL – Visitantes que chegaram ao Estado em 37 voos da Azul vindos de Campinas, Belo Horizonte, Salvador, Rio de Janeiro e Fortaleza, entre os dias 3 e 5 de fevereiro, receberam as boas-vindas ao Carnaval de Pernambuco ainda dentro do avião. Com sorteio de 37 kits (com bolsa, camisa, squeeze, chapéu, sombrinha de frevo e bolo de rolo) do Estado (um por voo) entre os passageiros.
HOTSITE – CARNAVAL EM PERNAMBUCO - Todos os detalhes do Carnaval pernambucano em um só lugar. É com este propósito que foi criado o hotsite “Carnaval em Pernambuco”. A página conta com uma série de informações voltadas para os turistas e foliões que virão passar os dias de Momo no Estado. O endereço www.carnavalempernambuco.com.br também contou com as informações do reality show “Pernambuco é o Lugar”. O principal foco do hotsite é apresentar ao internauta as opções de folia e a diversidade cultural do Estado. Na seção “Roteiros da Folia”, os candidatos a foliões vão poder encontrar detalhes de como acontece o Carnaval nos principais polos pernambucanos, como Recife, Olinda, Bezerros, Nazaré da Mata, Vitória de Santo Antão, Arcoverde, Pesqueira e Triunfo. Entre o período de 29 de janeiro e 9 de fevereiro, a página teve cerca de 173.516 visualizações, sendo 75% de novos visitantes.
REDES SOCIAIS – As redes sociais do Descubra Pernambuco chegaram a 68.892 curtidas no Facebook, 1.282 seguidores no Instagram e 9.055 no youtube.
BICHO MALUCO BELEZA – Adesivação do trio de Alceu Valença em São Paulo para divulgação do Carnaval em Pernambuco. Foram enviados 15 passistas de frevo e oito bonecos gigantes. Foram enviadas mil sombrinhas para distribuição entre os paulistas.
VILA ISABEL – Foram enviadas quatro mil sombrinhas para o desfile da Vila Isabel, no Rio de Janeiro, que teve o samba-enredo “Memórias do Pai Arraia, um sonho pernambucano, um legado brasileiro”, em homenagem a Miguel Arraes.
        
Ações de Estruturação do Turismo para o Carnaval 2016

CATS – Os Centros de Atendimento aos Turistas estiveram abertos durante os dias do Carnaval com todo o material de divulgação do Estado. Foram realizados cerca de 5,5 mil atendimentos. Dos entrevistados, 80% eram brasileiros e 20% estrangeiros.
Nas unidades móveis estiveram localizadas em Bezerros, Nazaré da Mata, Gravatá e Recife Antigo foram atendidas cerca de duas mil pessoas.

Os CAT’s fixos ficam nos aeroportos do Recife e Petrolina, no TIP, Praça do Carmo (Olinda), Praça de Boa Viagem, shoppings RioMar e Recife, além da Casa da Cultura.

JARDINEIRA – O passeio foi uma opção para os turistas que quiseram tirar uma folga da folia e conhecer o patrimônio histórico do Recife por meio da Jardineira Tour Carnaval.  A ação aconteceu entre os dias 7 e 10 de fevereiro, um ônibus decorado para a festa e promoveu um passeio turístico gratuito para os visitantes, e tinha como ponto de partida a Pracinha de Boa Viagem. Percurso: saída da Praça de Boa Viagem, Segundo Jardim, Praça da Republica, Casa da Cultura, Estação Ferroviária, Via Mangue e volta para a Praça de Boa Viagem. Durante os quatro dias, 626 pessoas utilizaram o serviço. Sendo 88% provenientes de destinos nacionais, 12% de estrangeiros.




sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Pela nona vez, Gigantes do Samba é a grande campeã do grupo especial do Recife


Por: Rafael Paranhos/NE10
Pela nona vez seguida, a escola Gigantes do Samba, do bairro de Água Fria, Zona Norte do Recife, levou o título de melhor agremiação do grupo especial das escolas de samba da capital pernambucana, trazendo como tema a trajetória do político Miguel Arraes. A escola Galeria do Ritmo, do bairro de Casa Amarela, também da Zona Norte, conquistou o segundo lugar com homenagem à família Campos. O resultado foi divulgado às 16h desta quinta-feira (11), no Pátio de São Pedro, Centro do Recife.
A Gigantes do Samba coloriu a avenida com dois mil integrantes, homenageando o ex-governador do Estado com o tema “A saga de um mito guerreiro: Miguel Arraes no Sertão brasileiro”. Com premiação de R$ 20 mil, a verde e branco investiu R$ 240 mil para produzir e confeccionar as alegorias, segundo o presidente da escola Rivaldo Lacerda. A verde e branco contabilizou, ao todo, 159, 5 pontos. A agremiação foi a última escola a desfilar na última segunda-feira (8)
Já Galeria do Ritmo desfilou pela a avenida com o tema: “Não vamos desistir do Brasil, em homenagem a Eduardo Campos”. Com 154 pontos, a azul e branco recebeu a premiação de R$ 15 mil. Em terceiro lugar, a Escola de Samba Limonil, do bairro de Afogados, Zona Oeste, cravou 107,2 pontos.
Todas as seis escolas de samba do grupo especial desfilaram na última segunda, no Polo das Agremiações, na Avenida Dantas Barreto, Centro do Recife.
OUTROS CONCURSOS – Além das escolas de samba, outras 11 modalidades do Carnaval recifense levaram o título de melhor agremiação. Entre elas estão: Troças Carnavalescas, Clubes de Frevo, Clubes de Boneco, Blocos de Pau e Corda, Maracatus de Baque Solto, Maracatus de Baque Virado, Caboclinhos, Tribos de Índios, Bois de Carnaval, Ursos (La Ursa).
Confira a lista completa dos vencedores:
Bois de Carnaval
Grupo Especial:
1- Boi Glorioso ( Bonito)
2- Boi Ta ta ta
3- Mimoso da Bomba do Hemetério
Grupo 1:
1- Boi Misterioso (Limoeiro)
2- Boi Fantastico (Arcoverde)
3- Boi Malabá
Grupo 2:
1- Boi Diamante
2-Boi Arcoverde
3- Boi Pavao (Limoeiro)
Ursos
Grupo Especial:
1- Urso do Ovão
2- Urso Cangaçá (Água Fria)
3- Urso Branco da Mustardinha
Grupo 1
1-Urso Pé de lã
2- Urso Mimoso de Afogados
3- Urso do Vizinho
Grupo 2
1- Urso Pé de Lã
2- Urso Texaco
3- Urso Polo Sul
Tribos de Índios
Grupo Especial:
1- Índio Tupiniquim
2- Índio Tupi Nambá
3- Índio Cobra Coral
Grupo 1:
1- Índio Tupi Guarani
2- Índio Ubirajara E –
3 – Índio Tupi Oriental
Troças
Grupo Especial:
1- TCM Batutas de Água Fria
2- TCM To Chegando Agora
3- TCM Abanadores do Arruda
Grupo 1:
1- TCM Estou Aqui De Novo
2- TCM A Japa do Coque
3- TCM Estrela da Boa Vista
Grupo 2:
1- TCM Dragão de Campo Grande
2- TCM Bacalhau do Beco
3- TCM Beija Flor em Folia
Clube de Bonecos
Grupo Especial:
1- Clube de Boneco Seu Malaquias
2- Clube de Bonecos Tadeu no Frevo
3- Menino do Pátio de São Pedro
Grupo 1
1- Garota da Ilha do Maruim
2- Homem da Madrugada
3- Linguarudo de Ouro Preto
Grupo 2:
1- Boneco to Afim
2- Bochechudo de Areia
3- Raissa no Frevo
Clube de Frevo
Grupo Especial:
1- Bola de Ouro
2- Girassol da Boa Vista
3- Lenhadores
Grupo 1:
1- CCM das Pás
2- CCM Vassourinhas
3- CCM Arrasta Tudo
Grupo 2:
1- CCM Pavao Misterioso
2- CCM Tubarões do Pina
3- CCM Toreiro de Santo Amaro
Blocos de Pau e Corda
Grupo Especial:
1- Amante das Flores (Camaragibe)
2- Madeira do Rosarinho
3- Batutas de São José
Grupo 1:
1- BCM Lírio da Lira
2- BCM Edite no Coração
3- BCM Com Amor a Você
Caboclinhos
Grupo Especial:
1- Caboclinho União Sete Flexas ( Goiana)
2- Caboclinho Tupã
3- Caboclinho Tupy
Grupo 1:
1- Caboclinhos Carijós (Recife)
2- Caboclinhos 7 Flexas (Recife)
3- Caboclinhos Flexa Negra da Tribo Truká
Grupo 2:
1- Caboclinho Tainá
2- Caboclinho Taperaguazes
3- Caboclinho Potiguares ( Goiana)
Maracatu de Baque Solto
Grupo Especial:
1- MBS Leao de Ouro (Condado)
2-MBS Cruzeiro do Forte
3- MBS Esrela Dourada (Buenos Aires)
Grupo 1:
1- MBS Leão Mimoso (Ipatininga/Aliança)
2- MBS Gavião da Mata (Glória do Goitá)
3- MBS Cambinda Brasileira (Nazaré)
Grupo 2:
1- MBS Pavão Misterioso ( Upatininga/Aliança)
2- MBS Leão Misterioso (Nazaré)
3- MBS Leão Vencedor (Chã de Alegria)
Maracatus de Baque Virado
Grupo Especial:
1- MBV Nação Porto Rico
2- MBV Estrela Brilhante (Recife)
3- MBV Leão da Campina
Grupo 1:
1- MBVAlmirante do Forte
2- MBV Nação Tupinambá
3- MBV Cambinda Africano
Grupo 2:
1- MBV Oxum Mirim
2- MBV Nação de Luanda
3- MBV Linda Flor (NC)

quinta-feira, 11 de fevereiro de 2016

Papa Defunto anima foliões na Quarta-feira de Cinzas no Recife

Criado em 1997, o Bloco Papa Defunto anima os foliões do bairro de Casa Amarela, Zona Norte do Recife na Quarta-feira de Cinzas. Personagens como o Coveiro, Papa Defunto e o morto no caixão fazem parte da irreverência do bloco. E aí quem se habilita em fazer o percurso deitado no caixão?!









Prefeito: "Quero agradecer ao folião, que fez o mais bonito, o mais grandioso e o mais alegre Carnaval que o Recife já teve"

"Todos os números que recebemos mostram que nós tivemos o maior Carnaval de todos os tempos. Ficamos muito felizes por ver que conseguimos, mesmo em tempos tão difíceis para o Brasil, fazer uma festa tão bonita e tão alegre". Foi com estas palavras que o prefeito Geraldo Julio resumiu a experiência dos cinco dias do festejo momesco que ocuparam as ruas em vários pontos espalhados pelo Recife. Na tarde desta Quarta-feira (10) de Cinzas, o gestor municipal se reuniu com o seus secretários no Paço do Frevo para apresentar dados que destacaram esta festa como sendo uma das maiores já realizadas pela Prefeitura do Recife, marcada principalmente, pela participação e alegria do folião. 
"Ficamos muito felizes de poder ver uma festa grandiosa como esta, mesmo num ano tão difícil como este para o Brasil. Mas conseguimos fazer o maior Carnaval de todos os tempos, e o mais alegre também. Os artistas, os trabalhadores, os foliões, todos entusiasmados e fazendo com que esta festa fosse tão linda", destacou o prefeito Geraldo Julio, que afirmou ainda que o Recife se firmou como capital que tem a maior e mais democrática festa popular, atingindo um público de 1,5 milhão de pessoas que circularam pelos 52 polos oficiais da festa neste ano.
O gestor também fez um agradecimento especial aos 952 artistas, sendo 99% pernambucanos, que fizeram 2.504 apresentações por toda a cidade. Aproveitou para entregar pessoalmente placa de agradecimento a Maestro Forró, um dos homenageados do Carnaval do Recife 2016. Os outros dois homenageados, Clube Carnavalesco Misto Pão Duro e Maracatu Nação Porto Rico, já haviam recebido a placa do prefeito na abertura oficial da folia, na sexta (5).
Para o sucesso de organização do Carnaval, a Prefeitura do Recife contou com mais de 5 mil trabalhadores em ação, entre servidores e terceirizados. Entre eles um efetivo diário de 120 agentes e 120 orientadores de trânsito, que ajudaram nos deslocamentos de veículos pelo Bairro do Recife, onde os foliões ainda puderam contar com o serviço do ônibus Expresso da Folia, que transportou 50.500 foliões, e com o Táxi Metropolitano, que garantiu a circulação de táxis pelo bairro, com uma frota de até 9 mil  táxis autorizados.
Garantindo a beleza da festa, a partir de um esquema especial montado pela Empresa de Manutenção e Limpeza Urbana do Recife (Emlurb), a cidade teve o trabalho de 1.056 garis e 100 fiscais que removeram 530 toneladas de lixo, somando um total de 71 toneladas a mais do que o que foi recolhido na folia do ano passado. Uma novidade no esquema de limpeza ficou por conta do Ecobarco, que durante o Carnaval inteiro coletou resíduos flutuantes do Rio Capibaribe. 
O Carnaval do Recife 2016 foi um sucesso de organização e de receptividade, dado que se confirmou em uma pesquisa realizada pela Empresa Pernambucana de Turismo (Empetur), que atestou que, a capital registrou 96,4% de ocupação hoteleira. Em pesquisa realizada com os visitantes, 89% garantiram que o Carnaval do Recife superou ou atendeu às expectativas, e dos entrevistados, 97,8% alegaram que pretendem voltar para brincar. Destes entrevistados, 99,1% recomendam a cidade como destino para o Carnaval. 
"Veio gente do mundo inteiro, Recife foi invadido pelos turistas e batemos o recorde de ocupação hoteleira", garantiu o secretário de Turismo e Lazer do Recife, Camilo Simões. "Esse é um momento muito importante para a nossa cidade, porque conseguimos aquecer a economia e gerar mais emprego e renda para a população", completou o secretário.
No quesito de atenção à saúde, o secretário de Saúde do Recife, Jailson Correia, pontuou os números que confirmaram que a festa não deixou de garantir o cuidado com o bem-estar do folião: "Contamos com 2.800 trabalhadores nas áreas médicas atendendo aos foliões do Recife. O SAMU realizou 860 atendimentos, e também tivemos o trabalho de prevenção e combate ao mosquito Aedes Aegypti, com nossos profissionais visitando os focos da folia para realizar inspeção e controle com varredura e aplicação de larvicida".


quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Bloco "Que merda é essa" desfila pelas ruas de Paulista

Tradição de 9 anos no Carnaval de Paulista, o bloco "Que merda é essa" ganhou as ruas da praia de Conceição, animado por uma orquestra de frevos, dois carros alegóricos  e centenas de foliões.

 O desfile acontece no domingo de Carnaval, percorrendo trecho da Av. Claudio Gueiros Leite e ruas do bairro. O nome do bloco  originou-se  de uma gozação lançada por um motorista de onibus ao ver um grupo de fantasiados dançando pela rua. Aí, a pergunta se transformou no nome do bloco, que reúne, em sua maioria, moradores da Rua Edson Nieling Lundgren.



segunda-feira, 8 de fevereiro de 2016

Johnny Hooker - Desbunde Geral (Clipe-Registro de Carnaval)

A força da mulher pernambucana no carnaval

Por Gleide Ângelo
Amigos leitores, 
Cylene Araújo é uma artista, mulher e uma cidadã comprometida com as causas sociais  / Foto: divulgação
Cylene Araújo é uma artista, mulher e uma cidadã comprometida com as causas sociaisFoto: divulgação
Hoje é Carnaval, dia de alegria, de colocar o bloco na rua, de se juntar aos amigos e celebrar a vida. Mas não é momento de esconder a dor e a tristeza atrás da fantasia de Colombina, Catirina e Caboclinha. Por isso, hoje vou mostrar a vida de uma mulher forte, guerreira, comprometida com a luta da violência contra as mulheres, que sempre buscou seus sonhos, em um universo onde as mulheres não têm muito espaço. 
Mulheres, vamos conhecer a trajetória de Cylene Araújo, que sempre divulgou a cultura pernambucana nos quatro cantos do mundo.
QUEM É CYLENE ARAUJO ?
Cylene Araújo cantora, compositora, radialista, jornalista, poetisa, pesquisadora  musical e dançarina de ritmos folclóricos. Falar dessa “guerreira menina” é reconhecer em um ser humano, todas suas vertentes artísticas.
QUAIS PROJETOS SOCIAIS NO COMBATE À VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CYLENE ARAÚJO PARTICIPA?
Cylene Araújo é uma artista, mulher e uma cidadã comprometida com as causas sociais e já há muitos anos se empenha na luta contra a violência a mulher. Cylene também escreve para a Revista Luso-Brasileira Persona Mulher. 
HOJE, DE QUE FORMA CYLENE TRABALHA PARA AJUDAR NO FORTALECIMENTO DAS MULHERES PARA DIMINUIR A VIOLÊNCIA?
Atualmente, Cylene Araújo é apresentadora e produtora do programa Forrobodó,na Rádio Universitária, onde abre espaço para divulgação de eventos atuais que visam promover e dignificar a mulher com entrevistas e debates, além de fazer a cobertura dessas ações de luta e cidadania. A maior parte das entrevistadas são mulheres militantes da causa contra a violência à mulher.
CYLENE ARAÚJO É UMA ARTISTA QUE CANTA FORRÓ OU É UMA MÚLTIPLA ARTISTA?
Cylene Araújo, muito conhecida por ser uma cantora de forró, também canta músicas de Carnaval. Inclusive, Cylene gravou neste ano mais um CD com o título “Frevos e Maracatus”, está fazendo shows no carnaval, e foi a cantora convidada para sair no Trio Elétrico da Secretaria da Mulher de Pernambuco no Galo da Madrugada. No São João, ela é conhecida como a cantora das 50 horas de forró, por ter cantado sozinha sem parar, no ano de 2000/ Patativa – São Paulo. Ela tem diversos CDs de forró gravados e realiza shows em vários espaços culturais. 
QUAL A AGENDA DE CYLENE NO CARNAVAL ?
Cylene Araújo fez shows no sábado e no domingo e fará mais dois shows, sendo um na terça feira (9) no Bairro do Barro, às 23h, e outro na quarta-feira (10), em Moreno, puxando um trio elétrico a partir do meio-dia .
Amigas, é importante mostrar a força, a garra, a raça da mulher pernambucana, para que você possa se espelhar e ver que quando se luta, se tem amor próprio e se tem um objetivo, você conquista o seu sonho. As maiores conquistas são as conquistadas com maiores dificuldades.  
Você sabe por que Cylene Araújo é uma vencedora? Porque ela sempre acreditou em um sonho que tinha desde os oito anos de idade. O mundo artístico não é fácil, mas ela soube torna-lo fácil e prazeroso. Cylene divulga a cultura pernambucana aos quatro cantos do mundo, com segurança, amor e orgulho de ser mulher.
Então, você amiga, que ainda se submete a ser agredida e violentada, saiba que você também tem essa força, essa garra. Acredite em você, supere toda a dor e transforme seu sofrimento em combustível para a mudança de vida. Acredite que você pode você consegue, você é forte, você é guerreira, e acima de tudo, você é uma MULHER QUE NUNCA ESTARÁ SOZINHA. Busque ajuda e dê a volta por cima. Brinque o Carnaval com respeito e com amor!
TELEFONES ÚTEIS

» Ouvidoria da Mulher do Estado de Pernambuco - Cidadã Pernambucana
Fone: 0800 281 8187
» Central de Atendimento à Mulher do Governo Federal - 180

» Polícia - 190 (se a violência estiver ocorrendo)

Camarote TV Nova Nordeste no Galo da Madrugada 2016













Evandir Pedrosa entrevista Cláudio Rocha (Presidente do Site ForrozeirosPE) no desfile do Galo da Madrugada

A nossa equipe foi entrevistada pela Rádio Nova Nordeste 106.3FM e Goiana FM, para falar do Site ForrozeirosPE Na Folia! Obrigado Evandir Pedrosa, Pedro Paulo, Kaká Nascimento e a todos da equipe pela recepção maravilhosa no Camarote da TV Nova Nordeste no Galo da Madrugada