domingo, 23 de fevereiro de 2014

Boneco gigante do jogador Flávio Caça-Rato será atração do carnaval em Olinda

O atacante Flávio Caça-Rato, um dos ídolos da torcida do Santa Cruz Futebol Clube, ganhou fama não só pelo apelido, mas por ser decisivo e iluminado nas últimas decisões do clube. Às vésperas do carnaval, Caça-Rato recebeu a informação de que será um dos bonecos gigantes das ladeiras de Olinda durante os dias de carnaval.
Olinda é uma cidade tradicionalmente conhecida pelo seu carnaval de rua, pela participação do povo nos blocos, clubes e troças. Entretanto, são os bonecos gigantes que constituem uma atração à parte no carnaval de Olinda. Toda segunda-feira de carnaval é realizado o tradicional encontro de Bonecos em Olinda acontece há 27 anos e reúne multidão durante desfile pelas ruas da cidade.
Este ano, além de Caça-Rato serão mais 50 bonecos gigantes que representam diversas personalidades dos cenários histórico e cultural do Brasil e do mundo. Entre os homenageados: Alceu Valença, Ariano Suassuna, Capiba, Jô Soares, Renato Aragão, Michael Jackson, Antônio Nóbrega, Obama e Mestre Vitalino.
Caça-Rato
O atacante Flávio Caça-Rato teve um ano brilhante em 2013. O jogador foi decisivo dentro de campo pelo Santa Cruz no Campeonato Pernambucano e na Série C e fora dele também se destacou: ganhou um samba-enredo que pedia sua participação na Seleção Brasileira e viveu um dia de modelo. O calendário mudou, mas o jogador continua em destaque. O jornal inglês The Guardian, um dos mais tradicionais da Europa, traçou um perfil do atleta coral em sua edição dominical.
Na reportagem, Flávio Caça-Rato é nomeado como Flávio the Rat Catcher. A reportagem lembra que o atleta joga em um dos clubes mais populares do Brasil e destaca os 60 mil torcedores do Santa Cruz que compareceram a um jogo da semifinal da Série C em 2013. No perfil, o jornal inglês também lembra a trajetória de vida do jogador.
Infância triste e pobre
Flávio Augusto do Nascimento é o caçula de três irmãos. O mais velho, Fábio, tem 31 anos. A do meio, Fabiana, 29. Por problemas financeiros, a mãe, Jacira, "deu" Fábio para a avó criar. Na ausência do irmão, a irmã sempre esteve por perto. Na infância, moravam na Avenida Professor José dos Anjos, que corta o lado esquerdo do Estádio do Arruda, à beira do canal. Brincava de caçar rato na beira do canal.
O pai era alcoólatra. A mãe, ele e os irmãos sofriam com os ataques de fúria dentro de casa. Constantemente, o imóvel era revirado, e os três, agredidos. O casal sempre conversava, e João prometia parar de beber. Até que em um certo dia de 1994, Jacira, a mãe, empregada doméstica, precisou dormir fora. João bebeu muito. Entrou em casa e espancou Fabiana, uma de suas filhas. Flávio quis defender a irmã e sofreu.
O pai foi até o quarto, pegou um lençol e passou no pescoço do filho. Com a casa coberta por telhas, o pano foi alojado entre as frestas de madeira, e o pai ameaçou puxar, porque não admitia que um moleque de oito anos interferisse na sua ordem. Fabiana, apavorada, conseguiu pegar a chave a tempo de abrir o portão para pedir ajuda a um tio que morava na mesma rua.
- Meu pai quer matar o Flávio! - gritava.
Quando os dois chegaram, o garoto estava pendurado, sem reação. O pai foi atacado pelas costas e caiu tonto. Flávio desabou desmaiado.
Os dois nunca tiveram muito contato. Depois de beber uma quantidade absurda de aguardente em julho de 2010, João ficou completamente bêbado. Abriu um pote de pimenta, encheu a mão e colocou na boca. Foi socorrido, mas não resistiu.
- Eu não sei o que se passava pela cabeça do meu pai. No fim das contas, o vejo como um bom pai, mas eu não entendia essas atitudes - disse Caça-Rato.
Xodó da torcida
Flávio Caça Rato teve que refazer sua vida com a habilidade de jogador de futebol passou pelo Sport Clube Recife, Cabense, Salgueiro e o Social Esportiva Vitória, depois foi para a Croácia no segundo semestre de 2008 passando um ano por lá.
Voltando ao Brasil passou seis meses no Cabense de Pernambuco, em seguida foi para o América de Natal, voltando ao Cabense em 2011 onde jogou o Campeonato Pernambucano de 2011. Despertou o interesse do Santa Cruz Futebol Clube sendo contratado e virou o xodó da torcida e personagem do carnaval de Pernambuco.
Fonte: O Nordeste.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário